Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Tirone desabafa após ameaças: "Se morrer, será pelo Palmeiras"

Luiz Fini Presidente Prudente (SP)

O presidente do Palmeiras, Arnaldo Tirone, adotou um discurso em tom de desabafo depois da derrota por 3 a 2 para o Fluminense, neste domingo. Uma semana após as pichações em que foi alvo de ameaças de morte, o mandatário não demonstrou medo com a situação.

“Todo mundo vai morrer um dia. Se eu morrer, vai ser pelo Palmeiras e vai sair no jornal isso”, afirmou o presidente, com um semblante irritado.

Sem a companhia do vice-presidente de futebol, Roberto Frizzo, que não viajou a Presidente Prudente, Tirone só deixou o vestiário do estádio Eduardo José Farah quando todos os jogadores e integrantes da comissão técnica já estavam no ônibus do clube.

“Tenho pouco a falar neste momento, o Palmeiras deveria ter sido o vencedor do jogo. Tivemos chance de fazer o terceiro gol, mas não conseguimos”, acrescentou. O resultado deste domingo deu o título antecipado do Brasileirão ao Fluminense e complicou ainda mais a situação do Verdão, que ocupa a zona de rebaixamento.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
O presidente Arnaldo Tirone ignorou as ameaças da torcida e disse não se importar com a morte
O presidente ainda lamentou pelos problemas clínicos sofridos por sua equipe. Henrique deixou o campo no primeiro tempo, enquanto João Denoni, Correa e Patrick Vieira terminaram a partida reclamando de dores.

“Perdemos jogadores por lesão também e, mesmo assim, o time lutou muito até o último minuto. Não acabou matematicamente”, encerrou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade