Futebol/Mundial de Clubes Fifa 2012 - ( - Atualizado )

Tite fomenta "guerra" por poucas vagas restantes na equipe titular

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Da risca do meio-campo para trás, o Corinthians titular no Mundial de Clubes não deve ter surpresas, está definido. Já no sistema ofensivo, Tite tem dúvidas sobre o quarteto ideal que representará a equipe no Japão, em dezembro. Por isso, fomenta uma disputa sadia no elenco até encontrar respostas.

"É uma guerra para ser titular. Seria muito mais cômodo não fomentar esse tipo de competição. Cobraria intensidade nos jogos e treinos e deixaria os outros acomodados. Futebol não é assim. Tem que ter lealdade e competição entre os atletas. O objetivo do time é maior do que o individual", defendeu o treinador, após a goleada de 5 a 1 sobre o Coritiba, no sábado.

A princípio, os que têm lugar garantido são Cássio, Alessandro, Chicão, Paulo André, Fábio Santos, Ralf e Paulinho. Douglas e Danilo dificilmente começarão o torneio no banco, mas o primeiro, reserva em boa parte da temporada, corre mais risco do que o camisa 20. As outras posições ficam, em tese, entre Jorge Henrique, Romarinho, Martínez, Guerrero e Emerson.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Tite lamentou o fato de não poder utilizar alguns de seus jogadores com regularidade: "Às vezes fico chateado"
Mesmo tendo sido decisivo na conquista da Copa Libertadores da América, não apenas pelos dois gols na final contra o Boca Juniors, Sheik não pode se considerar titular por não estar atuando. O atacante sofreu estiramento no ligamento colateral do joelho direito e está em fase final de recuperação. A ideia é que volte nessas rodadas finais do Campeonato Brasileiro.

"Só tem reconhecimento se treinar forte e com qualidade, entrando em campo e mostrando. Todos têm consciência disso. Procuro equilibrar o lado técnico do atleta com o desempenho que a equipe tem com ele. Essa é, para mim, a essência. O lado humano às vezes fica apertado, chateado, de ter que escolher só 11", diz Tite, que no Pacaembu queimou as três alterações para usar o máximo possível do grupo.

"Coloquei o Danilo, o Romarinho e o Edenílson. Já são 14. Mas não coloquei o Guilherme, que entrou bem no jogo passado e fez até gol", lamentou o comandante corintiano, sabedor de que deixará descontentes (ou motivados a tomar a titularidade) os futuros reservas no Japão. De qualquer forma, a promessa é de um time competitivo.

"Eu, o presidente, nenhum de nós promete título. Agora, tem uma coisa que a gente quer prometer e cumprir: que essa equipe jogue o que ela está acostumada a jogar. Se ela vai vencer ou não, não sei, pode perder para alguém melhor, mas ela quer repetir seu padrão de desempenho", conclui.

Antes da estreia no Mundial, em 12 de dezembro, o Corinthians tem mais três jogos pelo Brasileiro. O primeiro deles será no próximo sábado, contra o Internacional, no Beira Rio. O elenco inicia a preparação para esse jogo na segunda-feira à tarde, no CT Joaquim Grava.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade