Futebol/Brasileiro Série A - ( - Atualizado )

Para Durval, mudanças causaram mau desempenho santista no Brasileiro

Do correspondente Rodrigo Martins Santos (SP)

Campeão paulista e da Recopa Sul-americana, além de semifinalista da última Copa Libertadores da América, o Santos não faz uma boa campanha no Brasileirão. Na 12° posição do campeonato, com 46 pontos ganhos, o Peixe não corre risco de rebaixamento e, matematicamente, também não possui mais chances de se classificar para a próxima Copa Libertadores da América. Mas, para o zagueiro Durval, o rendimento da equipe na Série A tem explicação.

O defensor santista apontou as mudanças sofridas pelo time para o segundo semestre como principal razão para o desempenho abaixo do esperado na competição nacional. “Acho que o Santos mudou bastante em relação aos anos anteriores. Não conseguimos manter o mesmo padrão dos últimos dois anos (2010 e 2011)”, disse.

Em relação à equipe que encerrou a Libertadores, o meia Paulo Henrique Ganso se transferiu para o São Paulo, o centroavante Borges foi para o Cruzeiro e o atacante Alan Kardec retornou, após empréstimo de um ano na Vila Belmiro, ao Benfica (Portugal). O meia Elano, que alternou entre a titularidade e o banco de reservas, se envolveu em uma troca pelo argentino Miralles e, agora, defende as cores do Grêmio.

Além disso, vale lembrar que o zagueiro Edu Dracena ainda se recupera de cirurgia no ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo. O capitão alvinegro só volta aos gramados em 2013.

“Em 2010, por exemplo, a gente tinha o Robinho, o André, o Wesley, além dos demais. Era um time bem montado, agrupado, onde todo mundo se conhecia e sabia o que tinha de fazer em campo. Esse ano ocorreram várias mudanças. Essa é uma das coisas que nos prejudicou nesse ano”, ponderou Durval.

Apesar de reconhecer que o Santos deixou a desejar no Brasileiro, o camisa 6 do Peixe espera que o clube praiano encerre bem a sua participação no campeonato. Nas últimas três rodadas, os santistas enfrentam Figueirense (na Vila), Corinthians (no Pacaembu) e Palmeiras (na Vila Belmiro).

“Mesmo sem pretensões no Brasileirão, a gente vai entrar em campo para vencer. Independentemente da situação dos adversários (Timão se prepara para o Mundial de Clubes da Fifa, enquanto o Figueira já está rebaixado e o Verdão também está próximo da queda para a Série B), sabemos que os resultados ficam marcados. Por isso, ganhar é muito importante. A última impressão é a que fica”, encerrou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade