Futebol/Copa Sul-americana - ( - Atualizado )

Ceni compara Sul-americana à Liga Europa: "Não vale para quem perde"

Tossiro Neto São Paulo (SP)

A importância dada pelos clubes brasileiros à Copa Sul-americana cresceu recentemente, com a possibilidade de, através dela, chegar à Libertadores. Ainda assim, trata-se de um plano B. O são-paulino Rogério Ceni reconhece o valor secundário do torneio, abaixo da Libertadores, mas questiona quem o menospreza.

"É o mesmo que Champions e Uefa (Liga Europa), a segunda competição mais importante do continente. Para quem ganha, é importante. Para quem perdeu ou não participou, nunca é. É como o Paulista. Quem ganha faz festa. Quem perde diz que não vale nada. Cai treinador e tudo, mas dizem que não vale nada", diz o goleiro.

Para o São Paulo, recém-classificado após eliminar a Universidad Católica, o título diminuiria o fracasso principalmente do primeiro semestre, com eliminações no Paulista e na Copa do Brasil. Até mesmo no Brasileiro, o time só se consolidou no G-4 depois de engatar série invicta no returno.

Seria ainda uma maneira de dar alegria à torcida tricolor, que, até o momento, apenas viu os três maiores rivais comemorarem: o Santos foi campeão estadual e da Recopa, o Corinthians levantou pela primeira vez o troféu da Libertadores, e o Palmeiras, embora rebaixado à segunda divisão nacional, conquistou a Copa do Brasil.

"Se vencêssemos, o ano ficaria razoável, dentro de tudo que aconteceu, do que nós vivemos no início ano, com turbulências. Seria bom fechar o ano com título, começando 2013 com confiança", explica Ceni, que, prestes a completar 40 anos, renovou contrato por mais uma temporada.

O oponente na luta pela taça da Sul-americana será definido na noite desta quinta-feira. Após empate sem gol na Argentina, Millonarios-COL e Tigre-ARG duelam pela segunda vaga. As datas das finais são 5 e 12 de dezembro, e o São Paulo só decidiria em casa contra os argentinos.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade