Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Com Ganso apático, reservas do São Paulo empatam com a Ponte Preta

Campinas (SP)

O primeiro jogo de Paulo Henrique Ganso como titular do São Paulo terminou com um empate sem gols. Na tarde deste domingo, no Estádio Moisés Lucarelli, a desfigurada equipe tricolor contou com o meia (apático em campo) até os 11 minutos do segundo tempo e não foi além da igualdade com a Ponte Preta, em partida válida pela penúltima rodada do Campeonato Brasileiro.

Já classificado para a Copa Libertadores da América de 2013, o São Paulo não prioriza mais a competição nacional e preservou seus titulares neste fim de semana. O time dirigido por Ney Franco continua na quarta colocação, agora com 63 pontos ganhos. Na rodada final, no domingo de 2 de dezembro, disputará clássico com o Corinthians no Pacaembu.

Antes de pensar no maior rival, no entanto, o São Paulo terá de se preocupar com a segunda partida das semifinais da Copa Sul-americana. Seus titulares estarão de novo em ação contra a chilena Universidad Católica na quarta-feira, no Morumbi. O jogo de ida ficou empatado por 1 a 1.

Por sua vez, a Ponte Preta almeja justamente a classificação para a Sul-americana da próxima temporada. O time de Campinas, que se livrou do rebaixamento para a Série B com antecedência, totaliza 47 pontos no Brasileiro. Encerrará campanha contra a Portuguesa, também no próximo domingo, no Canindé.

Rubens Chiri/www.saopaulofc.net
Em sua estreia como titular, Ganso foi apático e permaneceu em campo até o começo do segundo tempo
O jogo – Mesmo sem aspirações no Campeonato Brasileiro, o São Paulo entrou em campo animado por sua torcida, que foi em bom número ao Moisés Lucarelli. Paulo Henrique Ganso era o centro das atenções. Sorridente, o meia avisou que ainda não se sente em perfeitas condições físicas, porém estava disposto a demonstrar um futebol alegre.

A alegria já estava presente entre os torcedores da Ponte Preta. Satisfeito com a campanha da equipe na Série A e com o rebaixamento do rival Guarani para a Série C, o público alvinegro cantou alto desde o início da partida. O zagueiro Ferron, que vestiu a camisa 100 para celebrar o seu centésimo jogo pelo clube, tinha um motivo a mais para se motivar contra o São Paulo. “Quero coroar a data com a vitória”, afirmou.

A disposição alardeada por Ganso, Ferron e pelos demais jogadores não foi suficiente para deixar a partida vistosa nos primeiros minutos. Os dois times trocaram passes excessivamente e apostaram em chutes de longa distância para encurtar o caminho para o gol. O melhor deles saiu dos pés de Maicon, aos dez minutos, e parou em um tapa do goleiro Edson Bastos.

Na sequência, Casemiro teve uma das poucas chances de gol do primeiro tempo. O volante tabelou com Willian José na entrada da área e chutou forte. No rebote de Edson Bastos, ficou sozinho dentro da área, mas isolou a bola e virou alvo de piadas dos ponte-pretanos. As gozações mudaram de lado pouco depois. Revelado pela Ponte Preta, o goleiro Denis deixou no chão o antigo centroavante são-paulino Roger com um drible e divertiu a torcida tricolor.

Ganso também queria fazer festa dos são-paulinos em Campinas. Aos 26 minutos, o meia ficou com a bola dentro da área da Ponte Preta e concluiu sem força na tentativa de encobrir Edson Bastos, que defendeu com facilidade. Dez minutos depois, ele errou um passe e armou uma boa investida dos donos da casa. Roger foi acionado dentro da área, girou e esbarrou em Denis.

Entusiasmada pela chance de gol e pela cantoria de seus torcedores, a Ponte pressionou o São Paulo nos últimos minutos da etapa inicial. Foi a vez de o zagueiro Edson Silva aparecer, com intervenções importantes em uma série de levantamentos na área. O volume de jogo do time mandante incomodou os visitantes. “Vamos tentar melhorar. Ainda é a primeira partida do Ganso como titular. Ele está se adaptando aos poucos”, disse Willian José ao deixar o campo.

No intervalo, o técnico Ney Franco decidiu facilitar um pouco mais o trabalho de Ganso e Willian José. Sacou Henrique Miranda, deslocou Cícero para a lateral esquerda e reforçou o ataque com a entrada de Ademilson. O jogo ficou aberto após a alteração. Tanto é que Roger, aos dez minutos, recebeu passe de Rildo, bateu rasteiro e acertou a trave. Nikão e Cicinho também tiveram espaço para chutar a gol, mas estavam com pior pontaria.

Com a melhora da Ponte Preta, Ney Franco não esperou muito para mexer novamente em sua equipe. Paulo Henrique Ganso foi o escolhido para ceder lugar a Cañete. Já com o argentino no gramado, aos 13 minutos, o São Paulo assustou o adversário: Ademilson enfrentou a marcação, avançou para dentro da área e bateu cruzado. A bola passou muito perto da meta.

Arte GE.Net
Como o São Paulo (também com Lucas Farias na vaga de Willian José) ficou mais presente no ataque, o técnico Guto Ferreira também mudou o seu time. Nikão mostrou insatisfação ao ceder vaga para Uendel. Rildo deu lugar a Rossi. E Roger, muitas vezes contestado, desta vez ouviu aplausos e elogios ao sair para a entrada de Giancarlo. Beijou o escudo da Ponte Preta como retribuição.

As mudanças, contudo, resumiram-se às formações das duas equipes. O placar permaneceu inalterado até o apito final do árbitro Luiz Flávio de Oliveira. O que também não representou grande modificação para Ponte Preta e São Paulo na tabela do Campeonato Brasileiro.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade