Futebol/Copa Sul-americana - ( - Atualizado )

Jogadores do São Paulo tentam lidar com favoritismo na semifinal

Helder Júnior São Paulo (SP)

O meia-atacante Jadson e o zagueiro Rafael Toloi concederam entrevistas descontraídas no CT do São Paulo na tarde desta segunda-feira. Provocados pelos companheiros Lucas e Rafael Toloi, que faziam graça atrás das câmeras de televisão, os jogadores precisaram conter o riso com as brincadeiras. O tom de voz só ficou mais sério quando o assunto era o favoritismo atribuído ao São Paulo na Copa Sul-americana.

Após empatar por 1 a 1 com a Universidad Católica no primeiro jogo da semifinal, a equipe do Morumbi ganhou o direito de avançar à decisão se não sofrer gols do time chileno nesta quarta-feira, em casa. “Falar de favoritismo é meio complicado, mas a gente tem feito por merecer”, assentiu Jadson. “Antes do jogo, podem dizer que o São Paulo é o favorito. Mas são 11 contra 11 dentro de campo”, advertiu Toloi.

Ambos acreditam que o São Paulo poderia estar em situação ainda mais confortável para decidir a vaga na final. “Foi uma pena a gente ter saído do Chile só com um empate. Era para ter sido, no mínimo, 3 a 1. Mas estamos confiantes e temos tudo para avançar”, avisou Jadson. “O goleiro deles fez boas defesas no primeiro jogo. Mas, se repetirmos aquela atuação, conseguiremos nos classificar”, concordou Toloi.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Mesmo respeitoso, Rafael Toloi admitiu o favoritismo do São Paulo contra a Universidad Católica
Para aumentar a confiança e o favoritismo do São Paulo, o time de Ney Franco tem a seu favor o fato de ainda não ter sofrido gols como mandante na Copa Sul-americana. O bom momento contagiou também os torcedores, que compraram mais de 40.000 ingressos antecipadamente para a partida contra a Universidad Católica.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade