Futebol/Copa Sul-americana - ( )

Ney Franco alcança 10ª final e mira principal título do currículo

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Dez finais por clubes em nove anos de carreira como treinador profissional. Essa é a marca que Ney Franco atingiu na quinta-feira ao classificar o São Paulo para a decisão da Copa Sul-americana. O título continental, em sua opinião, daria mais destaque a um currículo que já tem conquistas estaduais e da Copa do Brasil.

"Quando fui contratado, minha fala o tempo todo foi de conseguir uma vaga para a Libertadores, e esse objetivo já foi atingido. Chegar a uma final como essa é muito difícil. O São Paulo há tempos não chegava a uma final", diz o mineiro de 46 anos, referindo-se ao jejum de seis temporadas do clube. A última decisão havia sido a da Recopa de 2006, perdida para o Boca Juniors, da Argentina.

Em conversa com a GE.net no fim de setembro, ainda às vésperas das oitavas de final e fora do G-4 do Campeonato Brasileiro, no qual viria a entrar mais tarde, ele dizia estar convicto de que disputaria a Sul-americana até o fim. Disse também que "no futebol brasileiro, vai terminar qualquer tipo de dúvida em relação a mim se minha carreira for coroada com título nacional ou internacional em São Paulo".

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Técnico são-paulino conquistou sete títulos por clubes
Na quinta-feira, logo após obter a classificação com o empate sem gol diante da Universidad Católica, fez discurso semelhante. "Vamos fazer de tudo para sermos campeões, o que, em termos particulares, seria muito interessante. Qualquer campeão com o São Paulo, principalmente em uma competição internacional, coloca em seu currículo um título muito importante", falou.

Não que ele não tenha troféus importantes. Desde que assumiu o Ipatinga, em 2004, sem contar os pela Seleção Brasileira sub-20, Ney Franco ganhou sete. O primeiro deles foi o Mineiro, no ano seguinte, com o próprio Ipatinga. Ainda foi campeão por Flamengo, Botafogo e Coritiba, e só amargou o vice duas vezes: na Taça Rio e no Campeonato Carioca de 2009, quando comandava o Botafogo.

Mas a primeira taça internacional teria mais peso do que todas as outras. E ela está cada vez mais próxima, dada a boa campanha do São Paulo. Em oito jogos, a equipe soma quatro vitórias e quatro empates, com 13 gols marcados e apenas dois gols sofridos.

"Realmente o desempenho é muito bom. Não tomamos gols no Morumbi. Dentro do Campeonato Brasileiro, assim como na Sul-americana, o número é positivo. Temos a melhor defesa do segundo turno", lembra o treinador, orgulhoso da carreira.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade