Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Nova estrela da companhia, Ganso estreia sob pressão por Copa-2014

Raul Flávio Drewnick * São Paulo (SP)

'Promovido' a Cisne nas piadinhas de internet desde que chegou ao São Paulo - equipe ainda vista como elitista pelos torcedores rivais -, Paulo Henrique Ganso começa a enfrentar seus demônios neste domingo, quando vai fazer sua estreia pelo Tricolor. Em ato decisivo de sua carreira, o jogador precisa superar a pressão e as dúvidas sobre seu futuro. Porém, mais do que as cirurgias nos joelhos, ele terá de curar principalmente as cicatrizes impostas à sua imagem após atritos públicos com o Santos, do qual se despediu sob uma chuva de moedas e gritos de “mercenário” na Vila Belmiro.

Ainda não se sabe exatamente que jogador é este que vai vestir a camisa tricolor pela primeira vez neste domingo no Morumbi. Será o gênio precoce que colocava Neymar na cara do gol e participava das coreografias infantis naquele time apelidado de Cirque Du Soleil pelo presidente Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro, hoje seu desafeto? Ou um craque mais maduro de qualidade incontestável, porém sem as condições físicas suficientes para encarar a truculência e o calendário exaustivo do futebol moderno? As variáveis entre essas duas opções são muitas e, pelo menos por enquanto, Ganso ainda é um ponto de interrogação com um 8 colado nas costas.

Bom moço introspectivo, ex-santista já teve seus deslizes
Rotina de Ganso na capital tem restaurante, cinema e pouco trânsito
Como Pedro Rocha, meia pode ter a camisa 10 de Jadson em breve
Planejamento de Ganso é jogar no futebol europeu depois da Copa
Após ajudar Neymar, psicóloga percebe Ganso com motivação instável
Craque almeja ser médico e elogia estrutura do 'Hospital São Paulo'
Ídolo de Ganso, Muricy acha que meia "vai arrebentar" no São Paulo

Afinal, até seu número de inscrição na súmula será novidade. Se, há dois anos, estreava pela Seleção principal já como camisa 10 absoluto, hoje, começa “por baixo” no novo clube para reconstruir a carreira. Além do desempenho em campo, as polêmicas fora dele podem afetar até seus contratos como garoto-propaganda.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Com cara de ontem ou de hoje, Ganso tera de 'dá-la à tapa' se quiser lucrar e ser protagonista na Copa de 2014
Sem assinar novos acordos deste tipo desde 2010, o jogador ainda empresta seu rosto de bom moço para um de seus patrocinadores nas propagandas de aparelhos de barbear. Seja com a cara de ontem ou a de hoje, Ganso vai ter de 'dá-la a tapa' se quiser lucrar mais midiaticamente e ser protagonista na Copa de 2014, esse sim seu maior objetivo.

"Pressionado eu não me sinto. Meu pensamento é jogar futebol e deixar o que passou para trás. Só quero jogar bola e fazer o meu melhor", garante Ganso, sem, no entanto, conseguir esconder o semblante de ansiedade e receio nesta semana de estreia.

Chegar já 'roubando' a camisa 10 de Jadson poderia colaborar com aqueles que preferem lembrar mais do recente lado obscuro do jogador. Para o ano que vem, no entanto, retomar o mais nobre número do futebol não está descartado, fato que pode ajudar também na exploração do seu marketing.

Divulgação
Divulgação
CISNE NEGRO E O ENIGMA DA PERSONALIDADE DE GANSO

A situação de Ganso nos dias que antecedem sua estreia tem muita semelhança com o roteiro do filme Cisne Negro, vencedor do Oscar de melhor atriz em 2011 pela interpretação de Natalie Portman. A personagem, uma bailarina de excelente técnica, mas extremamente introspectiva, encara as dificuldades da vida e da profissão nos primeiros anos da idade adulta.

Certinha e reservada, sofre com a pressão e ansiedade ao ganhar o papel de protagonista na Companhia de Balé de Nova York em uma adaptação de O Lago dos Cisnes. A rotina de ensaios exaustivos e a expectativa em relação à performance, no entanto, impõem à personagem uma série de lesões físicas e também um turbilhão de autoconhecimento e dualidade.

Seu desafio é conseguir superar a fragilidade corporal e se tornar uma artista completa até a data do grande espetáculo, exercendo com qualidade tanto a delicadeza do papel de Cisne Branco, como a atitude e expressividade do Cisne Negro, posturas opostas que duelam dentro de sua alma.

No caso do novo jogador são-paulino, a meta é ser protagonista na Copa do Mundo de 2014. Por ironia, o único Oscar que Ganso tem pela frente é o jogador do Chelsea, de quem terá de roubar o papel principal e a camisa 10 se quiser brilhar como titular na conquista do hexa em 2014.

Sucesso de crítica, o filme Cisne Negro custou R$ 26,8 milhões, apenas R$ 2,9 milhões a mais do que o valor pago ao Santos pela transferência de Ganso para o Tricolor. Discreto, o jogador se disse fã de filmes de suspense e comédias para a reportagem da Gazeta Esportiva.Net. Seu longa favorito é "À Procura da Felicidade", enredo protagonizado por Will Smith sobre as dificuldades de um pai de família, que espera por dias melhores sem perder a esperança.

"A camisa 10 tem mais peso, lembra Pelé. O astro do time é sempre aquele que veste a 10. Mas, para o Ganso, é uma coisa muito simples. Se voltar a jogar o que sabe, vai ser astro novamente. Se começar a jogar mal, volta tudo de ruim, a lembrança de mercenário. Ele tem agora esta oportunidade de se recuperar", opina Toni Lauletta, presidente da Informídia Pesquisas Esportivas, consultoria de marketing que estuda retorno de investimentos.

Se em campo o rendimento de Ganso ainda é uma incógnita, até agora, os companheiros de São Paulo também sabem muito pouco sobre a personalidade do novo contratado. No CT, ele ainda não conseguiu se enturmar. Mesmo aqueles de convívio próximo o descrevem como uma pessoa muito fechada. O atacante Luís Fabiano e o volante Fabrício foram os que mais tiveram contato com a nova estrela da companhia. Não por coincidência, esses são jogadores campeões de lesões e que passam boa parte do tempo em tratamento no Reffis.

"É muito difícil fazer brincadeira com ele. Por outro lado, se você precisar, ele te dá até as calças", afirma Roberto Moreno, diretor executivo do Grupo DIS. Braço esportivo do Sonda, a empresa é dona atualmente de 68% dos direitos do jogador. Em Santos, no entanto, o fundo de investimentos é apontado como a principal razão para os desvios de postura do atleta e também para as ásperas negociações que o levaram a sair do ex-clube.

Após finalmente aprovar sua liberação, o presidente do Santos chegou a dizer que Ganso precisaria de acompanhamento "por ter um problema incurável". A frase enigmática deixou dúvidas se Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro se referia a problemas no joelho ou ao caráter do meia. Passados dois meses da ruptura final, o mandatário não quer mais aparecer em manchetes deste tipo e nem dar margem para múltiplas interpretações. Não tem aceitado falar sobre o assunto por telefone e, publicamente, tem procurado desejar sorte ao jogador em sua nova fase.

Apesar da personalidade forte e introspectiva, Ganso é visto pelos amigos apenas como uma pessoa doce, ligada à família e fã de cinema. Evangélico, garante não frequentar baladas, não fumar e não beber. No máximo, se permite apreciar churrasco e pagode, além das músicas de louvor, suas favoritas.

Em sua nova rotina na capital paulista, vive com a noiva em um flat próximo ao CT. Decidiram se casar após uma breve ruptura, ocorrida na época em que Ganso assumiu a filha Maria Victoria, nascida em junho, fruto de outro relacionamento.

No Tricolor, o craque levou a sério o tratamento de recuperação muscular. As longas sessões foram seguidas à risca graças à supervisão direta de Luiz Rosan, chefe do departamento de fisioterapia do clube.

Enfim pronto para voltar ao gramados nesta reta final de Brasileirão e Copa Sul-americana, Paulo Henrique Lima só quer um retorno gradativo e sem sustos. Seja Ganso ou Cisne, branco, negro, canarinho ou tricolor, o futuro dele é também, em parte, o futuro do futebol, grande fonte de alegria e dor neste País. Dois sentimentos que o povo brasileiro e o meia paraense conhecem muito bem.

Arte GE.Net
* Colaboraram Marcos Guedes e Tossiro Neto

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade