Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Atlético-MG empata por 1 a 1 com o Vasco e desce para terceiro lugar

Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ)

O Atlético-MG desperdiçou a oportunidade de seguir sonhando com a conquista do título do Campeonato Brasileiro. Na tarde deste domingo o Galo, que tinha a obrigação de ganhar, apenas empatou por 1 a 1 com o Vasco, em São Januário, e terminou a 35ª rodada com 65 pontos, 11 a menos que o Tricolor, que não pode mais ser alcançado e conquistou a taça por antecipação.

Para piorar ainda mais a vida do Atlético, o Grêmio derrotou o São Paulo por 2 a 1, chegou aos 66 pontos e tirou a segunda posição dos mineiros, que correm o risco de terem que disputar a Pré Libertadores se não melhorarem o desempenho. Já o Vasco, que vinha de seis derrotas, chegou aos 51 pontos e não tem mais chances de disputar a Libertadores, apenas cumprindo tabela até o fim do Brasileirão.

O Vasco volta a campo no próximo sábado, às 19h30(de Brasília), quando visita o Coritiba no Estádio Couto Pereira, em Curitiba (PR). Já no domingo, às 17h(de Brasília), na Arena Independência, em Belo Horizonte (MG), o Atlético-MG recebe o Atlético-GO.

Arte GE.Net
O Jogo - O primeiro tempo foi disputado já em ritmo muito intenso, com um duelo equilibrado. Apesar de atuar como visitante, mas com a obrigação de vitória para manter o sonho do título aceso, o Atlético foi mais ofensivo no começo e assustou logo aos cinco minutos. Ronaldinho Gaúcho cobrou falta, o goleiro Fernando Prass defendeu dando rebote e Réver chutou para fora.

Mesmo com um pouco mais de cautela, o Vasco também criava problemas para o setor defensivo do Atlético. Aos 15 minutos, após cobrança de escanteio de Juninho Pernambucano, Alecsandro cabeceou a bola para a área, Tenorio dominou e virou para o goleiro Víctor praticar uma grande defesa. Quatro minutos depois Alecsandro cruzou, Wendel pegou de primeira da entrada da área e fez o gol. Mas o árbitro Elmo Resende Alves Cunha anulou marcando falta técnica de Wendel, que falou "deixa" no lance, confundindo a marcação rival.

Apesar de anulado, o Vasco se animou e passou a controlar as ações, quase marcando aos 23 minutos, quando Juninho Pernambucano cobrou falta e Víctor fez outra boa defesa.

Quando o Vasco era melhor em campo o Atlético abriu o marcador, aos 27 minutos. Escudero foi lançado em velocidade, invadiu a área e foi empurrado por Douglas. Pênalti bem marcado por Elmo Resende Alves Cunha, que errou apenas em não expulsar o zagueiro vascaíno, que já tinha cartão amarelo. Na cobrança da penalidade, Ronaldinho Gaúcho cobrou no meio do gol e fez 1 a 0.

Na reta final da primeira etapa as duas equipes deram a impressão de que diminuíram o ritmo se guardando para a segunda etapa por conta do forte calor que fazia no Rio de Janeiro. Mesmo assim ainda houve tempo para Serginho, que já tinha cartão amarelo, entrar de sola em Juninho, aos quarenta minutos, e ser expulso.

Com um homem a mais o Vasco voltou para o segundo tempo com Max e Marlone nas vagas de Jonas e Tenorio, respectivamente. A mudança surtiu efeito, deixando o Cruz-maltino mais ofensivo. Logo com um minuto os cariocas assustaram, em chute de Marlone, na rede pelo lado de fora. Aos oito minutos foi a vez de Alecsandro chutar cruzado e Víctor defender.

A pressão vascaína resultou no gol de empate aos 11 minutos. Felipe acionou Alecsandro na área. O atacante ganhou disputa com Réver e chutou sem chances para o goleiro atleticano.

Com a igualdade o jogo ficou aberto, com os dois times perdendo boas chances. Aos vinte minutos Max arriscou de fora da área e a bola passou sobre o gol. Sete minutos depois Réver chutou colocado na entrada da área e a bola tirou parte da tinta da trave esquerda de Fernando Prass. Dois minutos depois Neto Berola chegou a driblar o goleiro, mas se desequilibrou e foi dominado pela zaga vascaína. Já aos 33 Juninho Pernambucano cobrou falta sobre o gol.

Aos 38 minutos o Atlético conseguiu a igualdade numérica em campo. Douglas parou Neto Berola somente com falta em um contra-ataque e foi expulso, pois já tinha cartão amarelo. O defensor já tinha escapado da expulsão na primeira etapa, quando cometeu o pênalti em Escudero. Foi a senha para o Galo se lançar ao ataque e os mineiros quase desempataram aos 46, quando Ronaldinho cobrou falta, Réver cabeou e Fernando Prass fez grande defesa, garantindo a igualdade até o fim.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade