Atletismo/São Silvestre - ( - Atualizado )

Secretário municipal e diretor da FCL comemoram chegada na Paulista

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

A 88ª edição da Corrida Internacional de São Silvestre, disputada nesta segunda-feira, foi marcada pela volta da chegada à Avenida Paulista. Antônio Moreno Neto, secretário municipal de Esporte, e Carlos Francisco Bandeira Lins, presidente do Conselho Curador da Fundação Cásper Líbero (FCL), celebraram a alteração em relação ao ano passado.

“Lutamos muito para retomar a tradição de a São Silvestre ter a sua chegada na Avenida Paulista, em frente ao prédio do instituidor da prova, o jornalista Cásper Líbero. Isso é importantíssimo”, declarou Bandeira Lins durante o café da manhã oferecido a convidados na sede da FCL.

Antônio Moreno Neto também manifestou sua satisfação com o término da corrida no local antigo. “A chegada da São Silvestre tem que ser na Paulista. No ano passado, foi no Ibirapuera, mas é mais bonito na Avenida Paulista”, declarou o secretário municipal de Esporte.

Em 2011, para evitar o encontro com o público do Réveillon na Paulista, a chegada da São Silvestre foi realizada em frente do Parque do Ibirapuera. Em 2012, para garantir a volta do término na Avenida, a prova passou para o período matutino.

“O clima de manhã é mais favorável ao bom desempenho dos atletas e a chuva nesse período é mais rara. Tudo depende da avaliação que faremos depois, mas tenho a impressão de que será até melhor do que à tarde”, declarou o presidente do Conselho Curador da FCL.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Antônio Moreno Neto (à esquerda) conversa com Carlos Francisco Bandeira Lins durante café da manhã na FCL
A Corrida Internacional de São Silvestre é especial para Antônio Moreno Neto na medida em que seu pai nasceu no dia 31 de dezembro. Na época em que a prova era disputada à noite, a família misturava a celebração do aniversário do patriarca e do Ano-Novo com a tradicional prova.

“Eu lembro que a cidade inteira esperava a São Silvestre para comemorar a virada. Como meu pai nasceu no último dia do ano, a corrida marcou muito a minha vida. Com 25 mil inscritos atualmente, a dimensão é bem maior e muita coisa mudou, mas a tradição não pode se perder”, declarou.

Os representantes do continente africano dominaram a 88ª edição ininterrupta da Corrida Internacional de São Silvestre. No feminino, a vitória ficou com a queniana Maurine Kipchumba, contratada pelo Cruzeiro especialmente para a prova. Entre os homens, ganhou o também queniano Edwin Kipsang.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade