Atletismo/São Silvestre - ( )

Técnico de africanos torce contra chuva e aprova novidades da SS

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

Ex-corredor de elite, Moacir Marconi, mais conhecido como Coquinho, aprovou as novidades da edição de 2012 da Corrida Internacional de São Silvestre. Experiente, o técnico e agente dos principais competidores africanos torce contra a chuva na próxima segunda-feira.

Em sua 88ª edição, disputada de maneira ininterrupta, a São Silvestre será realizada no período da manhã, algo inédito na história da prova. A largada da elite masculina, prevista para as 9 horas (de Brasília), 20 minutos depois da elite feminina, deixou Coquinho satisfeito.

“Eu achei ótimo, porque 95% das provas no Brasil são nesse horário. Então, não precisei fazer qualquer adaptação no treinamento. Pela manhã, por mais que esteja quente, é bem mais ameno do que à tarde. Estou torcendo muito para que não chova, porque a coisa mais negativa para os africanos é chuva e frio. Eles sentem muito”, disse.

Em parceria com o empresário italiano Federico Rosa, representante de alguns dos principais fundistas da África, Coquinho traz atletas para competirem no Brasil - ele mantém um pequeno centro de treinamento na cidade de Nova Santa Bárbara, no interior do Paraná.

Com máxima de 29ºC e mínima de 21ºC, o site Climatempo prevê sol e aumento de nuvens na manhã da próxima segunda-feira, com pancadas de chuva somente à tarde e à noite. Além de elogiar a largada matutina, Coquinho também aprovou a volta da chegada à Avenida Paulista, em frente ao prédio da Fundação Cásper Líbero.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
O experiente Moacir Marconi, mais conhecido como Coquinho, treina e empresaria os atletas africanos no Brasil
“A chegada na Paulista é mais emocionante, motivante e tradicional, além de ser esportivamente melhor para o físico dos atletas. No ano passado, o desgaste no dia seguinte aumentou. Então, acredito que essa alteração vai ser melhor para todos”, declarou.

Questionado sobre os favoritos em seu grupo de atletas, Coquinho apontou os quenianos Mark Korir, atual vice-campeão da São Silvestre, e Nancy Kipron, tri da Volta Internacional da Pampulha. Ainda assim, ele lembra que a tradicional prova é imprevisível.

“A São Silvestre é a corrida mais importante do mundo nessa época do ano e sempre trabalhamos pensando em vencê-la. Essa prova é uma incógnita e o favoritismo não significa muita coisa. Acho que a disputa vai ser muito boa”, apostou o ex-corredor.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade