Atletismo/São Silvestre - ( )

Terceiro brasileiro reconhece domínio queniano e parabeniza Giovani

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Paulo Roberto de Almeida Paula nem parecia cansado depois de 46min49s correndo. Décimo colocado geral e terceiro melhor brasileiro da Corrida Internacional de São Silvestre, ele desandou a falar ao cruzar a linha de chegada. Primeiramente, elogiou os atletas do Quênia, que dominaram os três primeiros lugares.

"Os quenianos estão bem superiores a nós no momento, temos que saber reconhecer. Assim como também vamos falar quando estivermos em um nível melhor do que o deles", disse o corredor de 33 anos, que disputou nesta segunda-feira a última prova com a camisa do Cruzeiro.

Em seguida, elogiou o compatriota Giovani dos Santos pela quarta colocação. "No meu ponto de vista, ele é o melhor dos brasileiros. Parabéns, fico contente por ele. Fico feliz porque o Giovani é um grande brasileiro e tem tudo para entrar no rol dos grandes", comentou, sem perder o fôlego.

Feitos os elogios, ele ainda classificou como ótimo seu desempenho nos 15 km da principal corrida de rua brasileira. "Corri até mais do que o esperado. Fiz uma prova estratégica: saí de trás, fui buscando os adversários aos poucos e tive a felicidade de terminar em oitavo", avaliou Paulo Roberto, que, na verdade, ficou em 10º.

A felicidade mesmo sem ter alcançado o pódio se justifica pelo fato de seu foco principal ser maratona – nos Jogos Olímpicos de Londres, ficou em oitavo, alimentando sonho de ganhar medalha no Rio de Janeiro, em 2016. "Quem treina para maratona não tem tanta velocidade para provas curtas", defendeu-se o ex-cruzeirense.

Paulo Roberto e o irmão gêmeo Luís Fernando, foram dispensados oficialmente no último dia 9 de dezembro, data da disputa da Volta Internacional da Pampulha, em que o Cruzeiro não teve atletas no pódio. Responsável pela equipe de atletismo do clube, o técnico Alexandre Minardi justificou estar decepcionado com ambos.

"Nota zero (para eles)! Que eles sejam muito felizes para onde forem, mas no Cruzeiro nunca mais. O clube nunca pisou na bola com eles. Nunca. Mas os gêmeros pisaram na bola feio com o Cruzeiro", disparou, ao fim da São Silvestre.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade