Futebol/Brasileirão Série A - ( - Atualizado )

Nos Aflitos, Náutico e Sport têm Clássico dos Clássicos 'histórico'

Recife (PE)

Histórico. Esta é a palavra para o Clássico dos Clássicos deste domingo, às 17 horas (de Brasília), entre Náutico e Sport, nos Aflitos, no Recife, pela 38ª e última rodada do Campeonato Brasileiro. Classificação à Copa Sul-Americana, rebaixamento à Série B, despedida do estádio da competição e a tradicional rivalidade entre os dois clubes são alguns fatores que apimentam o jogo.

O técnico do Timbu, Alexandre Gallo, terá alguns problemas para este confronto. Os volantes Martinez e Elicarlos, que se recuperam de lesão na coxa, não deverão entrar em campo. “Não estamos vetando, mas eles são dúvidas fortes”, afirmou o médico Marcos Lessa. Mas o zagueiro Jean Rolt, que rompeu os ligamentos na última rodada, é baixa confirmada.

No lugar de Rolt, Gallo poderá colocar Alison, jogador que teve boas passagens por Vitória e ABC e que entrou no último final de semana, no empate com o Bahia. Alemão, que sentiu dores nos treinamentos desta semana, não será problema e é opção. Já no lugar de Elicarlos, Ronaldo Alves, recuperado de lesão, pode entrar, fazendo, desta forma, dupla com Josa.

Diferentemente do atacante Kieza, que, através de seu perfil oficial no Twitter, escreveu que iria “terminar de derrubar a coisa” neste domingo, Gallo não quis entrar em polêmicas sobre a incômoda situação do arquirrival. Segundo o comandante alvirrubro, os três pontos interessam aos dois lados, que precisam ter “respeito um pelo outro”.

“O nosso foco é garantir a vitória para chegar à Copa Sul-Americana”, afirmou. “Se a vitória é importante para eles, para nós é importantíssima. Foi uma semana de muito trabalho para enfrentar uma boa equipe. Temos que respeitar o adversário e fazer o nosso trabalho em campo. E não há favorito neste clássico”, sentenciou o técnico.

Divulgação/Náutico
O técnico Alexandre Gallo, não entrou em polêmicas e pediu respeito pelo arquirrival aos seus companheiros
Para carimbar a vaga na competição internacional sem depender de outros resultados, o Náutico precisará de uma vitória simples, algo que garantiria o time no último lugar dos oito classificados à Sul-Americana. A última vez que o Timbu disputou torneios internacionais de expressão foi em 1968, na Copa Libertadores da América, há 44 anos.

Já do outro lado, o técnico do Leão da Ilha, Sérgio Guedes, tem mais motivos para comemorar do que Gallo. Isto porque, na última quinta-feira, o treinador teve todos os seus jogadores à disposição, exceto o goleiro Magrão, que segue se recuperando de lesão na coxa. E a surpresa da escalação rubro-negra fica por conta da volta de Cicinho à lateral-direita, mandando Renato para o banco.

Enquanto isto, no meio-campo defensivo leonino, Moacir seguirá com a vaga de Rithely, de acordo com o coletivo da última sexta. Querendo a vitória para sair da zona de rebaixamento à Segunda Divisão do Nacional, a equipe do Sport vai a campo com três atacantes: Felipe Azevedo, Gilsinho e Gilberto, com Tobi, Moacir e Hugo na armação.

Se a matemática alvirrubra é simples, a rubro-negra não é. Isto porque, para se livrar da Série B do ano que vem, o Sport, além de vencer o Náutico, terá que torcer para que o já rebaixado Atlético-GO vença o Bahia, seu concorrente direto na luta contra a degola, no Estádio Serra Dourada, em Goiânia, também às 17 horas.

A Portuguesa também corre riscos de queda, e, no Canindé, receberá a Ponte Preta, que também quer garantir a sua vaga na Sul-Americana. E um dos assuntos que mais renderam na Ilha do Retiro nesta semana foi “mala branca”. De acordo com as informações de bastidores, a diretoria leonina pretende incentivar financeiramente o Dragão e a Macaca em caso de vitórias.

Mas, de acordo com o atacante Felipe Azevedo, que afirmou ter amigos dentro do elenco campineiro, a Ponte deverá mostrar serviço contra a Lusa. “A Ponte ainda tem interesses ainda, como a Sul-Americana. Conversei com alguns amigos e eles me garantiram que vão jogar como se fosse qualquer outra partida”, revelou o jogador.

Divulgação/Sport C. R.
O atacante Felipe Azevedo revelou que conversou com amigos da Ponte Preta: "Eles vão se dedicar"
Já dentro das quatro linhas, o zagueiro Aílson afirmou que as provocações de Kieza, apagadas do Twitter pelo próprio atleta após algum tempo, servirão de motivação para todos do Sport. “O jogador inteligente transforma isto em combustível. Quem ganha a vida falando é político. No Sport, nós resolvemos a coisa dentro de campo”, analisou.

Mais polêmica:
Presidente do Náutico rebate afirmações de mandatário do Sport

Este Clássico dos Clássicos será um dos últimos – e o último pelo Nacional – nos Aflitos, já que o Náutico, a partir do ano que vem, passará a mandar os seus jogos na Arena Pernambuco. O estádio deverá ser demolido, e o Timbu deverá alugar o espaço para empresas. Antes disto, porém, os alvirrubros deverão convidar alguma equipe europeia para o jogo de despedida.

Como incentivo, o Leão da Ilha poderá se espelhar no último dia 22 de maio deste ano, quando o time venceu o Náutico, nos Aflitos, por 2 a 1, pelas semifinais do Campeonato Pernambucano. No histórico completo de confrontos, os leoninos também levam ligeira vantagem: são 513 encontros, com 199 vitórias do Sport, 172 do Náutico e 142 empates.

FICHA TÉCNICA
NÁUTICO X SPORT

Arte GE.Net
Local: Estádio dos Aflitos, no Recife (PE)
Data: 2 de dezembro, domingo
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa/RJ)
Assistentes: Dibert Pedrosa Moises (Fifa/RJ) e Rodrigo Henrique Correa (Asp. Fifa/RJ)

NÁUTICO: Felipe; Patric, Álison, Alemão e Douglas Santos; Martinez (Ronaldo Alves), Josa, Souza e Rogério; Kim e Araújo
Técnico: Alexandre Gallo

SPORT: Saulo; Cicinho, Diego Ivo, Aílson e Reinaldo; Tobi, Moacir e Hugo; Gilsinho, Felipe Azevedo e Gilberto
Técnico: Sérgio Guedes

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade