Futebol/Copa das Confederações - ( - Atualizado )

Técnicos italianos viram adversários e projetam partida emocionante

Helder Júnior São Paulo (SP)

A edição de 2013 da Copa das Confederações promoverá um encontro curioso entre italianos. Comandante japonês desde 2010, Alberto Zaccheroni irá encarar a seleção de seu país, dirigida pelo amigo Cesare Prandelli. Sorteados no grupo A do torneio ao lado de Brasil e México, Japão e Itália se enfrentam em 19 de junho, na Arena Pernambuco, no Recife.

Ex-treinador de grandes clubes italianos, como Internazionale, Juventus, Milan e Lazio, Zaccheroni ficou emocionado com a situação propiciada pelo sorteio realizado neste sábado. “Será uma coisa diferente. Não consigo nem imaginar a situação. Não será uma partida como as outras, com certeza. Mas vamos tentar buscar a vitória. É um tipo de encontro que também faz bem para a Itália”, ressaltou.

Com passagens por Roma e Fiorentina e encarregado de promover a renovação na Azurra, Prandelli também valorizou o momento histórico para o futebol do país. “Será emocionante. Terei que enfrentar um amigo, um grande profissional. É uma emoção além do aspecto técnico futebolístico. Isso me agrada”, afirmou o sucessor de Marcello Lippi.

Preocupado com as longas viagens, já que a Itália passará por Rio de Janeiro, Recife e Salvador em uma semana, Prandelli garante que não atropelará etapas para pensar no último jogo contra o Brasil. “Não pensamos na ordem das partidas na fase de grupos. Estamos mais preocupados ter boa mentalidade e determinação ao enfrentar essas seleções. As viagens seguramente serão cansativas, mas estaremos preparados para isso”, declarou.

AFP
Felipão, Prandelli, Zaccheroni e José Manuel de la Torre comandarão Brasil, Itália, Japão e México no grupo A
Satisfeito com a evolução de seus comandados nos últimos meses, Zaccheroni reconheceu a superioridade técnica dos adversários do grupo A. A aposta do treinador está na recente vitória nipônica diante da França em pleno solo francês e em jogadores como o meia Shinji Kagawa, destaque do Manchester United no início desta temporada.

“Nossos três adversários estão mais bem classificados no ranking da Fifa. Isso quer dizer que tiveram melhores atuações do que nós. Mas, nos últimos tempos, a minha seleção mudou muito, com jogadores adquirindo mais experiência no exterior, sobretudo na Europa. Isso me faz pensar que o nível do Japão melhorou”, destacou Zaccheroni.

Vale lembrar que esta não é a primeira vez em que um técnico é obrigado a enfrentar a seleção de seu próprio país na Copa das Confederações. Na edição de 2005, vencida pela Seleção Brasileira, o ex-flamenguista Zico dirigia a seleção do Japão e encarou o Brasil comandado por Carlos Alberto Parreira na fase de grupos.

Na ocasião, o time canarinho abriu o placar com Robinho e levou o empate em gol do meia Shunsuke Nakamura. Ainda no primeiro tempo Ronaldinho Gaúcho fez o Brasil voltar à ponta, mas Masashi Oguro sacramentou a igualdade por 2 a 2. O encontro se repetiria ano depois, dessa vez na Copa do Mundo e com goleada por 4 a 1.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade