Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Botafogo deseja nome de impacto para o ataque

Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ)

A diretoria do Botafogo continua trabalhando na formação de um elenco de grande nível para brigar por títulos em 2013. A ideia é contratar logo de cara um nome de impacto para o ataque, capaz de fazer a torcida jogar junto com o time logo no começo do Campeonato Carioca. Grafite, que está no Al Ahli, dos Emirados Árabes Unidos, é uma das opções e já negocia com Chico Fonseca, vice-presidente de futebol do Glorioso. O dirigente está tomando ciência dos valores para contar com o jogador de 33 anos, que depois terá seu nome validado ou não pelo técnico Oswaldo de Oliveira.

Grafite defendeu a Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, e no futebol brasileiro viveu seus melhores momentos com a camisa do São Paulo, tendo se destacado ainda pelo Goiás. Oswaldo não chega a ficar encantado com essa opção, já que pretende ver um centroavante de mais movimentação. Porém, não iria se opor a chegada do jogador e aproveitaria inclusive como uma forma de esvaziar ainda mais Loco Abreu, ídolo da torcida e que retorna de empréstimo do Figueirense no próximo mês.

Um nome que foi oferecido ao clube foi o de Zé Eduardo, o Zé Love, ex-Santos e Palmeiras e que estaria insatisfeito no Siena, da Itália. O jogador tem seus direitos federativos ligados a outro clube da Itália, o Genoa, e revelou ao "Lance!" que tem uma proposta oficial de um clube do Rio de Janeiro. A diretoria do Botafogo não confirma o interesse no jogador, mas as características dele se enquadram melhor ao esquema de jogo de Oswaldo de Oliveira.

Outro nome que surge na lista de cotados é o de Rafael Moura, que deixou o Fluminense no meio do ano passado e se transferiu para o Internacional. O He-Man não é considerado titular por conta de Leandro Damião e Forlán, podendo assim ser usado pelo Colorado como moeda de troca. O Colorado gostaria de contar com o zagueiro Brinner, que poderia ter o contrato renovado com o Botafogo apenas para ser incluído nesta negociação, uma vez que não faz mais parte dos planos da comissão técnica botafoguense. O que pesa contra Rafael Moura é o fato dele não ser visto como um nome de impacto.

Rafael Moraes/Photocamera
Rafael Moura, que foi para o Internacional no meio do ano, não é titular no Colorado e desperta interesse do Botafogo

Além de um atacante goleador, o clube procura um outro nome para o ataque, ainda mais porque Elkeson foi negociado em definitivo com o Guanghzou Evergrande, da China, e Bruno Mendes, envolvido em uma disputa judicial, retornou ao Guarani e ainda não sabe se poderá voltar a defender a camisa botafoguense. Caio, que retorna de empréstimo do Figueirense, tem proposta da Coréia do Sul e será negociado. Esse reforço seria um nome de movimentação e duas são as possibilidades. A primeira é Guilherme, do Atlético-MG, que foi pedido por Oswaldo. O Galo pediu o volante Renato em troca, o que foi recusado pelos botafoguenses. Uma nova investida, porém, poderá ser feita.

Outra possibilidade para o ataque surgiu essa semana. Trata-se de Eder Luis, do Vasco. O jogador poderia ser incluído em uma troca que levaria o goleiro Renan para São Januário. Os vascaínos desejam um novo camisa 1 para ocupar a vaga deixada por Fernando Prass, que se transferiu para o Palmeiras depois de ser titular do Cruz-maltino por três temporada.

Além de dois atacantes, o Botafogo ainda procura zagueiros e laterais. O único nome confirmado para a próxima temporada é o do zagueiro André Bahia, que foi revelado nas categorias de base do Flamengo e que estava na Turquia.

O planejamento da diretoria do Botafogo é ter a maior parte do elenco fechada em 3 de janeiro, quando acontece a reapresentação do grupo e o início da preparação para a disputa da Taça Guanabara, primeiro turno do Campeonato Carioca. A estreia na competição será no domingo 20 de janeiro, às 19h30(de Brasília), diante do Duque de Caxias no Engenhão. O Glorioso não conquista o Campeonato Estadual desde 2010, quando se sagrou campeão sem a necessidade de uma final por ter vencido os dois turnos. Na edição de 2012 os botafoguenses tiveram que se contentar com o vice-campeonato, perdendo a decisão para o Fluminense.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade