Futebol/Campeonato Espanhol - ( - Atualizado )

Após vencer o câncer, Abidal diz que não quer se tornar um exemplo

Barcelona (Espanha)

A batalha travada pelo lateral esquerdo Abidal contra um câncer no fígado teve fim neste ano. Após passar por um transplante e dar continuidade ao intensivo tratamento realizado na Espanha, o jogador do Barcelona foi liberado para retornar aos gramados e terá até o seu contrato renovado pela diretoria catalã. Mesmo com o histórico de superação em sua carreira, o atleta disse que não tem interesse em se tornar um exemplo.

Para o jogador, as suas declarações e palestras motivacionais para crianças que sofrem com a doença não teriam sentido se elas não retratassem exatamente o que se passa em sua vida. “Não falo o que eu faço para ser um exemplo. Faço porque tenho esta mentalidade. Eu me encontro bem e tenho muita gana de lutar e voltar ao futebol. Às vezes eu me sentia desmotivado, mas os treinos me reanimaram”, disse o atleta à TV3.

Abidal ainda recordou alguns episódios marcantes em sua carreira. O grupo de jogadores do Barcelona chegou a um consenso na temporada 2010/2011 e permitiu que o lateral erguesse o título da Liga dos Campeões no estádio de Wembley. A homenagem tocou o francês e foi classificada como um dos principais acontecimentos de toda a sua vida profissional e pessoa.

“Foi um dia muito emocionante, porque aquilo representava muitas coisas para mim. O Puyol havia dito: ‘Quando levantar a taça, você terá a sensação de que o mundo parou’. E é verdade”, comentou o lisonjeado atleta, que ainda agradeceu ao apoio do torcedor. “Eu fui até um jogo com o Real Madrid para agradecer a todos. Eles me incentivaram muito e eu me arrepiava a cada partida que gritavam o meu nome. Nunca vi nada igual.”

AFP
O francês Abidal foi homenageado na final da Liga dos Campeões 2010/2011 com a braçadeira de capitão
Se a luta de Abidal contra o câncer está vencida, o Barcelona precisará ter os mesmos cuidados com o atual técnico, Tito Vilanova. O treinador foi diagnosticado com um tumor maligno nas glândulas salivares e já foi operado. Afastado de sua função até concluiu as sessões de quimioterapia e radioterapia, o comandante ganhou o apoio do jogador francês e recebeu os seus votos de melhora.

“Ele já havia demonstrado o desejo de me ter na equipe e que todos me queriam de volta no clube. Com o Tito nós vivemos coisas parecidas e eu imagino que pensamos diferente dos demais. Aqui as pessoas nos querem e com o carinho que recebemos eu acredito que temos muito a dar pelo Barcelona”, finalizou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade