• EQUIPES
  • SEDES
  • CAMPEÕES
  • JOGOS
  • ELIMINATÓRIAS
  • FOTOS
  • BLOG

Futebol/Mundial de Clubes - ( )

Primo pobre tem gol decisivo pelo Timão, mas vai embora por baixo

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Luis Ramírez é injustamente mais lembrado pela cotovelada que lhe rendeu um cartão vermelho contra o Tolima do que pelo gol contra o Ceará. O segundo peruano mais importante da história do Corinthians decidiu um jogo dificílimo na reta final do Brasileiro de 2011, mas vai embora discretamente.

Guerrero pode virar embaixador
Corte “Paolo” faz sucesso em Lima
Cavalo de peruano também vive boa fase

Em baixa com Tite, o meio-campista não foi nem incluído na lista de 23 jogadores do Timão no Mundial. Fora da viagem para o Japão, viu o compatriota Paolo Guerrero embarcar para decidir a competição diante de 30 mil corintianos.

Enquanto a Fiel fazia a festa em Yokohama, Cachito Ramírez arrumava as malas. Ele já avisou que não pretende permanecer na reserva do Alvinegro – o que contribuiu para sua queda no conceito do treinador – e deve voltar a atuar no futebol do Peru.

Dois anos foi o período em que o meia permaneceu no Corinthians. Depois de chamar a atenção com um golaço contra o São Bernardo, deu a cotovelada que lhe marcou, mas sobreviveu à traumática eliminação para o Tolima na pré-Libertadores.

No jogo seguinte, foi titular no suado triunfo por 1 a 0 sobre o Palmeiras, com gol de Alessandro, decisivo para a permanência de Tite e o sucesso atual. Não se firmou na equipe, mas apareceu no estádio Castelão para resolver uma partida na qual o Timão foi dominado.

Importante na conquista do Brasileiro de 2011, voltou a perder espaço em 2012, o que o deixou perto de sair no meio do ano. A chegada de Guerrero tinha o potencial de ajudá-lo, mas Ramírez só voltará a atuar ao lado do amigo na seleção peruana.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade