Futebol/Mundial de Clubes - ( - Atualizado )

Corintianos tomam aeroporto e viram noite com provocação ao Chelsea

Bruno Ceccon e Marcos Guedes São Paulo (SP)

O corintiano é daqueles torcedores que se orgulham dos feitos de sua torcida tanto quanto valorizam as conquistas da equipe. Ou mais. Na virada de segunda para terça-feira, no embarque do Timão para o Mundial, ele adicionou a tomada do aeroporto de Cumbica à sua lista de realizações.

Não bastasse a calorosa recepção ao ônibus dos atletas em uma área externa do aeroporto, boa parte dos cerca de 15 mil torcedores que foram a Guarulhos resolveu dominar os saguões. Faixas foram instaladas por moradores de localidades como Carapicuíba, Jardim Ângela, Itaquera, São Mateus e Pirituba, bandeiras tremularam e teve sequência o carnaval armado pelos alvinegros.

Turistas desavisados que desembarcaram no terminal internacional anotaram em seus caderninhos: “O Brasil é um bando de loucos”. Nenhum exagero se observada a cena, com rojões explodindo em um ambiente coberto, extintores sendo disparados e até um corintiano passeando de bicicleta no meio da farra.

Uma árvore de natal perdeu suas bolas ornamentais, que passaram a ser arremessadas. Alguns até ensaiaram embaixadinhas enquanto a massa cantava seu amor ao Timão e chocava funcionários de lojas do aeroporto, que imaginavam ter chegado para apenas mais um dia de trabalho.

Após um Pai Nosso que celebrou o rebaixamento do Palmeiras, os torcedores atenderam pedidos feitos de maneira pacífica por policiais para continuar a festa do lado de fora. E seguiram com seus cânticos, tomando para si a recomendação que costumam fazer ao time: “Não para, não para, não para”.

No momento do tradicional “poropopó”, simbolicamente realizado justamente na virada da noite, que prometia ir longe, os corintianos já se imaginaram no Estádio Internacional de Yokohama no dia 16 de dezembro. “Corinthians veio pra vencer, e o Chelsea...”

Por volta da 0h30, policiais perderam a paciência com a celebração alvinegra, que atrapalhava o trânsito de carros e ônibus em frente ao aeroporto. A multidão acabou sendo dispersada por meio bombas de efeito moral e balas de borracha.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade