Futebol/Mundial de Clubes - ( )

Mundial, Cássio e Guerrero alavancam vendas de loja do Corinthians

Helder Júnior São Paulo (SP)

Há um lugar no Parque São Jorge tão concorrido quanto o Memorial do Corinthians, onde a taça do Mundial de Clubes está em exposição. A Poderoso Timão, loja oficial da equipe, tem recebido uma multidão de torcedores desde que os comandados de Tite derrotaram o inglês Chelsea no Japão. O goleiro Cássio e o centroavante Paolo Guerrero contribuíram bastante para o estabelecimento lucrar ainda mais às vésperas do Natal.

“Você quer saber se estamos vendendo bem? Olhe só para isso!”, sorriu o gerente Nelson Neves, enquanto orientava uma de suas funcionárias na caixa registradora, fornecia uma sacola maior para uma cliente, procurava um produto no estoque e era chamado ao telefone. “A loja está essa loucura desde que o Corinthians ganhou o Mundial. O movimento chega a ser maior do que o da época em que vencemos a Libertadores”, comparou.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Torcedores procuram camisas de Cássio e Guerrero na loja corintiana no Parque São Jorge
De acordo com o gerente, o Natal é responsável pelo acréscimo de só 10% das vendas de fim de ano. O restante foi motivado pelo bicampeonato mundial. “Para você ter uma ideia, vendemos mais de 400 camisas do Cássio em quatro dias. Foram mais de 2.000 de todo o time a partir da vitória sobre o Chelsea. Quando não compram o uniforme de goleiro, os torcedores procuram principalmente o do Guerrero. Ele já virou um ídolo de todos nós”, elegeu Neves.

Não são só camisas oficiais que atraem clientes à loja. Eles também procuram outros produtos alusivos à conquista no Japão. Nos próximos dias, por exemplo, uma réplica em miniatura do troféu de campeão do mundo estará nas prateleiras. “Só aguardamos a chegada da mercadoria para começar a vender. As taças da Libertadores já fazem muito sucesso”, lembrou o gerente.

Para dar conta de tanto movimento, a Poderoso Timão do Parque São Jorge quase dobrou o seu quadro de funcionários. A loja que opera normalmente com 14 empregados passou a contar com 26 em dezembro. Muito graças às mãos de Cássio e aos pés de Guerrero, conforme observou um vendedor que embrulhava para presente camisas com os nomes dos dois heróis.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade