Atletismo/São Silvestre - ( )

Após atraso em voo, última brasileira campeã se diz tranquila

Bruno Ceccon e Felippe Rodrigues São Paulo (SP)

Uma demora na decolagem do voo que trouxe Lucélia Peres de Brasília para São Paulo impediu que a última brasileira campeã da Corrida Internacional de São Silvestre chegasse a tempo de participar da entrevista coletiva realizada na manhã deste domingo, em um hotel na região da Avenida Paulista.

Apesar do atraso, a mineira, radicada na capital federal, garante que nada mudou em relação à prova desta segunda-feira. “Estou tranquila. O que estava programado para fazer, foi feito. Hoje (domingo), já fui no (Parque do) Ibirapuera dar uma soltada”, garantiu a campeã de 2006, em conversa por telefone com a reportagem da GE.net.

O avião da corredora deveria aterrissar às 9h40, mas só chegou uma hora mais tarde. “Não foi um atraso tão grande. Acabou não influenciando”, minimizou.

Depois de uma fratura por stress em abril, Lucélia sabe que não chega nas mesmas condições de quando levou o Brasil ao lugar mais alto do pódio. “Minha preparação caiu um pouco com a fratura. É mais uma prova que vou fazer uma avaliação. Não tive um ano tão bom”, explicou a atleta, lembrando que ninguém entra para perder.

“No fim, encaixei uns treinos bons. Chego bem preparada, não como em 2006, mas pretendo correr muito bem. Vou enfrentar, além do percurso duríssimo, brasileiras que vem de uma temporada muito boa. E as estrangeiras vêm sempre muito bem preparadas”, comentou.

Com ou sem a melhor forma, Lucélia não esconde que a largada pela manhã, fato até então inédito na São Silvestre, é positiva. “Vamos enfrentar um clima melhor e o horário também diminui a ansiedade. Não tem que mudar muito a rotina do dia pra correr à tarde”, disse a fundista.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Um ano antes de vencer, Lucélia Peres foi quarta colocada na São Silvestre, correndo os 15km em 52min10s

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade