Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Patrícia Amorim tenta quitar salários e dívidas antes de sair do Fla

Rio de Janeiro (RJ)

Uma semana após ser derrotada nas urnas por Eduardo Bandeira de Mello, Patrícia Amorim corre contra o tempo para passar o cargo de presidente do Flamengo com o mínimo de problemas para o adversário político. Nesta segunda-feira, dirigentes do clube irão se reunir para encontrar maneiras para quitar salários e dívidas acumulados nos últimos meses.

Precisando de caixa para pagar os vencimentos e o 13º salário de funcionários e jogadores, a cúpula rubro-negra também terá de resolver suas pendências com outros clubes. O CSKA, da Rússia, ainda espera pelo pagamento final pelo atacante Vagner Love, enquanto o Avaí aguarda, impaciente, pelo valor combinado nas transferências do zagueiro Renato Santos e do meia Cléber Santana.

A solução encontrada por Patrícia Amorim para deixar boas impressões antes de encerrar seu mandato foi pedir o adiantamento das cotas de televisão. Especula-se que o clube carioca tenta receber cerca de R$ 27 milhões da Rede Globo, detentora dos direitos de transmissão do futebol brasileiro.

No processo de transição da presidência, Eduardo Bandeira de Mello aprovou a medida proposta por Patrícia, desde que fosse somente para quitar as pendências acumuladas nos últimos meses. Além das questões financeiras, outro assunto que o executivo tenta resolver ainda no período de transição é o da permanência do técnico Dorival Júnior.

Já a situação de Zinho foi resolvida com a chegada do novo diretor de futebol, Paulo Pelaipe. Recém-chegado à Gávea, o ex-gremista anunciou que o tetracampeão agora será o gerente de futebol do clube, e não mais diretor executivo.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade