Futebol/Seleção Brasileira - ( - Atualizado )

Confiante, Marta elogia novo treinador da Seleção Brasileira

Bruno Oliveira, especial para a GE.NET São Paulo (SP)

Principal referência no elenco da Seleção Brasileira feminina de futebol, a meia-atacante Marta aprovou a contratação do treinador Márcio Oliveira, que substitui Jorge Barcelllos no comando da equipe nacional. Durante evento realizado no Museu do Futebol, em São Paulo, nesta quinta-feira, a camisa dez destacou as principais características do técnico e projetou futuro vitorioso para o time verde-amarelo.

“Necessitamos de um treinador, ele será o chefe. Faremos as coisas conforme ele determinar. É um cara que chegou com os pés no chão, tranquilo, dando abertura para colocarmos nossas opiniões. Estamos conversando bastante. Temos pouco mais de uma semana de treinamento, isso é muito pouco tempo para analisarmos tudo. A primeira impressão é positiva”, disse.

Oliveira chegou ao comando do Brasil em novembro deste ano, em substituição ao treinador Jorge Barcellos, que foi demitido com base no fraco desempenho da equipe nacional nos Jogos Olímpicos de Londres, onde sucumbiu diante do Japão nas quartas de final. A estreia do novo técnico será realizada neste domingo, às 16 horas (de Brasília), quando a Seleção enfrenta Portugal, no Pacaembu, em partida válida pelo Torneio Internacional Cidade de São Paulo.

“Isso é normal, treinador vive de resultados. Quando o objetivo não é concretizado, as coisas começam a acontecer desta forma. É assim no masculino, e no feminino não é diferente. Precisamos de um técnico que tenha força de vontade para trabalhar, que tenha o mesmo pensamento que toda a delegação, em crescer junto com o futebol feminino”, completou Marta.

Aos 26 anos, Marta acumula passagens por cinco equipes do esporte internacional (Los Angeles Sol, FC Gold Pride e Western New York Flash, dos Estados Unidos, e Umea e Tyreso, da Suécia). Com campanhas de destaque em todos os times que defendeu, a atleta brasileira alerta para a necessidade de Márcio Oliveira analisar o futebol feminino fora do Brasil.

"Temos que dar importância ao tipo de trabalho que será feito. Prestar atenção no que os outros estão fazendo lá fora para pegar isso e aplicar aqui também, para chegarmos no mesmo nível em grandes competições”, encerrou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade