Futebol/Seleção Brasileira - ( - Atualizado )

Dani Alves aprova concorrência de Adriano no Barcelona e na Seleção

São Paulo (SP)

O lateral direito Daniel Alves parece não se importar com a concorrência por sua posição no Barcelona e na Seleção Brasileira. Sem criar polêmica com a troca de Mano Menezes por Felipão ou com a saída de Pep Guardiola do clube catalão, o jogador elogiou o seu concorrente Adriano e disse estar preparado para se firmar como titular nas duas equipes.

Adriano ganhou a titularidade após a brusca queda de rendimento apresentada por Daniel Alves. Preferido de Tito Vilanova para ocupar a lateral do Barcelona, o jogador passou a se destacar nas últimas rodadas do Campeonato Espanhol e balançou as redes na goleada por 4 a 1 sobre o Atlético de Madri, no último fim de semana.

“O Adriano é um grande profissional. Quando se faz parte de um grupo tão forte, a competição dentro do time é importante para melhorar o rendimento de todos. Eu tive alguns problemas com lesão agora e espero recuperar a forma física, porque eu não tenho medo de competir com ninguém. Isso é o que eu gosto de fazer”, disse Daniel Alves, em entrevista à rádio Estadão/ESPN.

AFP
O lateral direito Daniel Alves disse que jogará em prol do técnico Luiz Felipe Scolari na Seleção Brasileira
A falta de espaço na Espanha fez com que o brasileiro fosse especulado na imprensa inglesa como provável reforço do Arsenal na próxima janela de transferências. Sem tocar no assunto, o jogador disse estar concentrado para manter o seu futebol em alto nível e chamar a atenção de Luiz Felipe Scolari. Assim como no período em que trabalhou com Mano Menezes na Seleção, o lateral afirmou que sempre jogará pelo treinador que optar por sua escalação.

“A gente sempre esteve na Seleção para ajudar quem estava no comando. Vamos continuar fazendo o nosso trabalho em nome do treinador que estiver lá”, destacou o atleta, ciente de que o seu antigo comandante, Pep Guardiola, também faria um bom trabalho no time canarinho. “Ele é um grande treinador e se adaptaria a qualquer situação. O Brasil teve essa decisão e temos que respeitar. Independentemente do treinador, temos que jogar em alto nível para estar na Seleção”, concluiu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade