Futebol Internacional/Recorde - ( - Atualizado )

Jogador da Zâmbia teria feito mais gols que Messi em único ano

Lusaka (Zâmbia)

No último domingo, após marcar os dois gols da vitória do Barcelona sobre o Real Betis, por 2 a 1, em jogo válido pelo Campeonato Espanhol, Lionel Messi, eleito três vezes seguidas o melhor jogador do mundo pela FIFA e maior artilheiro da história do Barcelona, quebrou mais um recorde pessoal: ao marcar seu 86º gol na temporada, superou o alemão Gerd Müller e foi reconhecido pela entidade máxima do esporte como o jogador a balançar mais vezes as redes em um mesmo ano.

Matéria publicada pelo Zambianwatchdog questiona, no entanto, as estatísticas da FIFA. Segundo o site zambiano, Godfrey ‘Ucar’ Chitalu, eleito cinco vezes o melhor jogador do país, teria marcado 107 gols em 1972.

Um representante da Associação de Futebol da Zâmbia afirmou que a entidade está trabalhando para reunir documentos que questionem as estatísticas da federação máxima do futebol e confiram o recorde ao jogador zambiano.

“Nós temos esse recorde, que foi atingido no futebol da Zâmbia, mas, infelizmente, não é reconhecido pela FIFA. Mesmo com o mundo olhando para o recorde de Messi, que teria superado Gerd Müller, nós nos perguntamos por que os gols de Godfrey não estão sendo reconhecidos”, afirmou o representante da federação.

“Montamos uma comissão para reunir cada um desses gols, minuto por minuto, marcados em todas as competições que ele disputou nesse ano. Mandaremos esse material para a FIFA para mostrar que, enquanto eles exaltam os recordes de Messi e Müller, o real artilheiro em um mesmo ano é um africano, Godfrey Chitalu”, acrescentou.

O representante afirma que a federação zambiana já entrou em contato com a FIFA para saber por que o recorde de Chitalu não é considerado. Como resposta, teria ouvido que o caso está sendo analisado internamente.

Chitalu recebeu um prêmio de reconhecimento da FIFA ao se aposentar, em 1982. Ele era o treinador da seleção zambiana de futebol em 1993, quando um acidente de avião em Libreville, no Gabão, matou toda a delegação do país, que disputava as eliminatórias para a Copa do Mundo de 1994.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade