Futebol/Copa Sul-americana - ( )

Campeão da extinta Conmebol, Ceni luta por taça inédita na carreira

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Aos 39 anos, Rogério Ceni é o único são-paulino remanescente do grupo de garotos que venceu a edição de 1994 da extinta Conmebol. No longo intervalo até aqui, ele sucedeu Zetti como titular e ganhou muitos outros troféus, mas não o da Sul-americana, o qual agora tem oportunidade, em final contra o Tigre-ARG.

"Quem ganhou quase tudo tem que tentar ganhar tudo, tem que ganhar o próximo. Fui campeão da Conmebol, a competição tinha outro nome. Sul-americana, eu não tenho", diz o capitão, que, na época do Expressinho, time B criado pelo clube para disputar as competições menos expressivas, já era destaque.

Em entrevista ao jornal A Gazeta Esportiva, Telê Santana elogiava aquele que se tornaria ídolo do clube. "O Rogério está numa excelente forma. Não só nesse jogo (a segunda final contra o Peñarol), mas nas partidas contra o Sporting Cristal (nas quartas) e contra o Peñarol, na semana passada, ele esteve muito bem", disse, logo após a conquista comandada pelo auxiliar Muricy Ramalho, hoje técnico do Santos.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Garoto e integrante do time B em 1994, Rogério Ceni atualmente é capitão e camisa 1 do São Paulo
Criada em 2002, a Sul-americana é uma espécie de continuação da Mercosul, que, por sua vez, havia ocupado espaço vago com a extinção da Conmebol, em 1999. Tendo a disputado sete vezes, o São Paulo chega pela primeira vez à decisão, juntando-se a Internacional (2008), Fluminense (2009) e Goiás (2010) no grupo de brasileiros finalistas.

Tal qual o clube gaúcho, o único campeão dessa lista, o São Paulo pode vencer o torneio de modo invicto. Até o momento, foram quatro vitórias e quatro empates. "Esse título seria muito importante para o currículo, principalmente pela maneira como foi o ano", reconhece Ceni, jogador mais experiente do elenco tricolor.

O ano não foi bom mesmo. Com quedas precoces no Campeonato Paulista e na Copa do Brasil, o São Paulo só engrenou a partir do segundo turno do Brasileiro, terminando em quarto lugar e assegurando vaga na próxima edição da Libertadores. A classificação para a decisão da Sul-americana serviria para coroar a reação.

A partida de ida contra o Tigre será às 21h50 (de Brasília) desta quarta-feira, em La Bombonera, estádio do Boca Juniors, em Buenos Aires. Diferentemente das outras fases, o gol como visitante não é critério de desempate para a final.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade