Futebol/Amistoso - ( - Atualizado )

Já no Pacaembu, Ronaldo chama Marcos de paredão e esconde histórias

Edoardo Ghirotto* e William Correia São Paulo (SP)

Um dos principais nomes do jogo de despedida de Marcos, Ronaldo se rendeu ao ídolo palmeirense. O Fenômeno chegou ao Pacaembu cerca de uma hora antes da partida chamando o ex-goleiro de paredão. E ainda mostrou seu laço de amizade com o astro da noite, sem revelar ‘causos’ do ex-jogador.

“Lembro de várias, mas são impublicáveis. Não posso contar, não”, afirmou o ex-atacante, gargalhando ao lembrar do ambiente criado por Marcos durante a Copa do Mundo de 2002. “Nós nos reuníamos no corredor e ele era o contador de história. Dávamos risada o tempo todo.”

Além de ajudar fora de campo, o artilheiro na conquista do Mundial de 2002 ressalta a qualidade rara mostrada por Marcos debaixo das traves. Ronaldo diz que superou o ídolo do Verdão diversas vezes em treinamentos na Seleção Brasileira, mas admite: o ex-goleiro dava medo.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Ronaldo teve presença discreta no amistoso de despedida de Marcos e não revelou nenhum segredo do ex-goleiro
“Ele representa um paredão ali, né? Além de ser muito grande, é tecnicamente muito bom. O atacante pensa nisso, sabe que, enfrentando um goleiro tao bom, tem que colocar a bola mais no cantinho possível”, contou, assegurando, contudo, que não pretende ‘poupar’ o amigo em seu jogo de despedida.

“Não quero nem saber. Já fiz muito gol nele em treino também. Mas vamos ver o que está armado”, sorriu, feliz por ter a chance de reencontrar e jogar junto novamente com o time campeão há dez anos no Japão e na Coreia do Sul. “Aquele grupo de 2002 era muito bom, né?”, constatou.

*Especial para a GE.net

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade