Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Marcos vê Prass como concorrente e estímulo para evolução de Bruno

Edoardo Ghirotto* e William Correia São Paulo (SP)

Às 12 horas (de Brasília) desta quinta-feira, o Palmeiras apresentará Fernando Prass, goleiro que a diretoria e Gilson Kleina esperam ser capaz de substituir Marcos com menos contestações. Mas o ídolo segue apoiando Bruno, a ponto de prever que o ex-camisa 1 do Vasco terá que disputar vaga com o criticado titular na campanha do rebaixamento. E vê a contratação até como estímulo para o amigo.

“Talvez eu tenha sido um bom goleiro por causa do Sérgio me pressionando para jogar. Os dois vão competir e time tem muito a ganhar com mais um grande goleiro na posição. O time só tem a ganhar”, opinou Marcos, que sempre defende Bruno em suas entrevistas – assim como o reserva Raphael Alemão, que falhou nas duas partidas que participou, nas últimas rodadas do Brasileiro.

“Um bom time começa por um bom goleiro, e o goleiro é o primeiro que paga por isso. A fase que o time passou atrapalhou muito. Também tive momentos em que não dava para segurar, goleiro depende muito do time”, afirmou o Santo, abrindo as portas para Prass sem desvalorizar Bruno.

“O Prass vai ser muito bem recebido, é um grande goleiro. Que seja muito bem-vindo. Se ele foi contratado, a chance é muito grande de começar como titular. Mas acredito no potencial do Bruno”, ressaltou.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Ex-goleiro ainda defende Bruno como seu sucessor e vê amigo prejudicado pelo rebaixamento
Velloso e Sérgio, que marcaram seus nomes no gol do Palmeiras antes de Marcos, apontam mais benefícios pela contratação de Fernando Prass, que tem 34 anos. Ambos, contudo, concordam com a ideia de que a chegada de alguém experiente e renomado poder ser importante para a atual geração de goleiros do Verdão.

“A situação difícil que o Palmeiras atravessou expôs muito o Bruno e o Deola. É uma missão muito ingrata substituir o Marcos, qualquer goleiro terá dificuldade para administrar isso. Até por isso, a vinda do Prass é importante. Ele é experiente e poderá fazer com que o Bruno e os outros goleiros cresçam ainda mais”, apostou Velloso.

Há mais de 18 anos, Sérgio, mesmo com os títulos paulista, brasileiro e do Rio-São Paulo de 1993, também foi pressionado pela última contratação de um goleiro no clube até a chegada de Prass. Em 1994, a Parmalat, co-gestora do futebol palmeirense na época, contratou o também já veterano paraguaio Gato Fernández. E Sérgio gostou.

“Não desanimei, pelo contrário. Passei a treinar ainda mais e continuei tendo minhas chances. O Bruno teve um ano muito bom, mas o Prass é importante para a Libertadores e poderá ajudar muito no crescimento desses jovens goleiros”, indicou Sérgio.

Edmundo, torcedor de Palmeiras e Vasco, aponta ainda mais benefício com Prass no gol alviverde. “Ele é líder, jogador de grupo. O Palmeiras acertou em cheio nessa contratação. Considero o Bruno um grande goleiro, mas a fase do time no Brasileiro acabou culminando com críticas. Pesou muito o rebaixamento”, analisou o ex-atacante.

*especial para a GE.net

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade