Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Platini usa argumento econômico para contestar tecnologia no futebol

Kuala Lampur (Malásia)

Se depender de Michel Platini, presidente da Uefa, o uso da tecnologia para medir a entrada da bola no gol não será implantado nos próximos anos. Nesta terça-feira, o dirigente usou um argumento econômico para defender a utilização de um quinto árbitro, atrás do gol, com o objetivo de verificar se a bola passou da linha.

“Prefiro doar 50 milhões [de euros, aproximadamente R$ 134 milhões] ao futebol de base do que para uma tecnologia que será utilizada, no máximo, uma ou duas vezes por ano. Se houver árbitro atrás do gol, a um metro da linha e com boa visão, pode verá se a bola entrou ou não”, disse Platini, em entrevista concedida em Kuala Lumpur, capital da Malásia.

No Mundial de Clubes, disputado desde a semana passada no Japão, estão sendo testados dois dispositivos diferentes que avisam aos quatro árbitros quando a bola passa da linha do gol. Mais comedido do que seu colega europeu, o presidente da Confederação Asiática de Futebol (AFC), Zhang Jilong, preferiu esperar o fim da competição para opinar.

“É algo novo. Depois do Mundial, vamos ver se poderá ser adotado em todas as competições ou não”, disse.

AFP
Platini (dir) com Zhang Jilong; presidente da Uefa mostrou uma postura crítica em relação à utilização de chips

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade