Handebol/Bastidores - ( )

Presidente da CBHb minimiza dívida, mas admite: “Temi suspensão”

André Sender São Bernardo do Campo (SP)

A Seleção Brasileira masculina de handebol correu o risco de ser excluída do Campeonato Mundial da Espanha, em janeiro de 2013, por conta de uma dívida da Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) com a Federação Internacional de Handebol (IHF). Com a situação já contornada, o presidente da entidade nacional, Manoel Luiz Oliveira, minimizou o problema, mas admitiu ter temido a suspensão do País de todas as competições oficiais.

A CBHb contraiu uma dívida de cerca de R$ 5 milhões para a organização do Campeonato Mundial feminino, em dezembro de 2011. O pagamento seria parcelado, mas a organização brasileira não depositou a primeira parcela em 30 de novembro e acabou ameaçada pela IHF. A entidade internacional estendeu o prazo para o último sábado, 15 de dezembro, quando a Confederação finalmente pagou aproximadamente R$ 1 milhão.

“Está tudo resolvido. Não dá para você dizer que não houve um temor, uma preocupação. Mas a gente sempre soube que em função do que o Brasil representa no handebol, era muito difícil que essa punição se efetivasse”, explicou Manoel Oliveira. “Seria um desastre para nós e uma coisa muito ruim para o handebol um País que está em plena ebulição ficar fora do Mundial”, completou.

Segundo o dirigente, que nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro-2016 estará em seu sétimo mandato à frente da CBHb, o prestígio do País dentro da IHF foi importante para que as punições não tenham sido aplicadas pela entidade internacional. O Mundial de 2011 originalmente seria realizado em Santa Catarina, mas acabou transferido para São Paulo com quatro sedes, o que ocasionou aumento nos custos. As cidades de São Paulo, Santos, São Bernardo do Campo e Barueri receberam os jogos.

Foi na competição em casa que a Seleção Brasileira feminina conseguiu o melhor resultado de sua história, colocando-se entre as potências internacionais. O time ficou com o quinto lugar do torneio e ganhou fôlego em sua preparação para os Jogos Olímpicos de Londres-2012. Na capital inglesa, a equipe nacional caiu nas quartas de final para a Noruega por apenas dois gols e ficou com a sexta colocação.

“Eles nos emprestaram dinheiro e querem receber. E nós queremos pagar. Porém, nesse tempo não conseguimos os recursos extras que nos permitissem fazer isso. Essa situação já está resolvida e todas as ponderações que a Confederação fez foram aceitas porque a Federação Internacional nunca teve a intenção de tirar o Brasil de suas competições. O mundo inteiro tem um carinho e respeito enormes pelo handebol brasileiro”, explicou o dirigente.

Garantida no Mundial da Espanha, com início em 11 de janeiro, a Seleção Brasileira masculina está no Grupo A da competição ao lado de Alemanha, Argentina, França, Montenegro e Tunísia.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade