Motor/Fórmula 1 - ( - Atualizado )

Ecclestone admite que caso de suborno pode motivar sua saída da F-1

Londres (Inglaterra)

Pela primeira vez, desde que a acusação de suborno por parte de Bernie Ecclestone veio à tona, o mandatário da Fórmula 1 admitiu que o caso que segue em julgamento pode tirá-lo do comando da maior categoria do automobilismo e cogitou até mesmo sua prisão.

O suposto suborno ocorreu em 2006, quando a empresa CVC Capital Partners, representada por Bernie, adquiriu o controlo acionário da Fórmula 1 ao comprar ações da BayernLB, de Gerhard Gribkowsky. A Justiça da Alemanha investiga se houve ilegalidade na transação.

O empresário admitiu que o problema com a Justiça pode fazê-lo deixar o cargo mais poderosos dentro da Fórmula 1. “(A CVC) provavelmente será forçada a se livrar de mim se os alemães vierem atrás. Se eu for preso, isso é bastante óbvio” declarou em entrevista ao jornal The Sunday Telegraph.

Ecclestone também contou que a empresa CVC já procura um substituto para ocupar seu espaço. “Eles disseram que contrataram um caça-talentos para encontrar alguém caso eu morra ou algo do tipo. É natural que eles façam isso para manter todos felizes”.

O permanência de Bernie Ecclestone na Fórmula 1 já foi muito contestada e alguns nomes já foram levantados como possíveis substitutos, mas não se passaram de rumores. O próprio presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo, chegou a sugerir a saída do empresário, devido às investigações sobre o caso.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade