Motor/MotoGP - ( - Atualizado )

Lenda da MotoGP acha impossível bom convívio entre Rossi e Lorenzo

Roma (Itália)

Maior campeão da história da MotoGP, com oito títulos, o italiano Giacomo Agostini não acredita que Jorge Lorenzo e Valentino Rossi irão manter o clima amigável durante a próxima temporada da categoria. Principais pilotos do grid, o espanhol e o italiano voltarão a dividir os boxes da Yamaha após dois anos.

Em 2010, último ano de Rossi na Yamaha, o clima entre os dois já não era dos melhores, causando verdadeira divisão na equipe. Para Agostini, uma eventual disputa pelo título pode voltar a rachar a Yamaha.

“Valentino e Jorge cresceram em comparação a quando eles eram companheiros de equipe em outra oportunidade, mas acho impossível para eles passar a temporada como amigos”, afirma Agostini, em entrevista ao jornal italiano Gazzetta dello Sport. “Quando você tem dois galos em uma mesma casa, um quer ser maior que o outro”, analisa.

AFP
Lorenzo (à esq.) e Rossi (ao centro) reeditam parceria que chegou ao fim em 2010: Agostini crê em título do italiano
Segundo o octacampeão, o fato de os dois estarem novamente no mesmo nível e dependerem apenas de si para vencerem um o outro deve acirrar a disputa interna e pelo título.

“Passei por isso com (o tetracampeão, Mike) Hailwood e novamente com (Angelo) Bergamonti. O que você mais deseja é vencer qualquer um que corra com a mesma moto que a sua, porque é aí que você vê quem é mais forte. Se você está atrás de alguém com uma moto diferente, a situação não é tão ruim”, relata.

Apesar de analisar o grid como mais equilibrado a cada ano, Agostini ousou ao cravar o seu favorito ao título da MotoGP em 2013. “Rossi irá ganhar na Yamaha, mas não será fácil. Acho que ele ganhará uma ou duas corridas, e não dominar, como antes. Seus rivais são mais novos e tem evoluído. Apesar disso, Valentino se dará bem porque figura no pódio com frequência”, conclui.

Volta de Rossi já fez Lorenzo perder patrocinador

O primeiro efeito do retorno de Valentino Rossi foi sentido no bolso de Jorge Lorenzo. Nesta semana, o atual campeão da MotoGP teve que romper o seu contrato de patrocínio pessoal com uma fabricante de bebidas energéticas. Tudo porque Rossi trouxe consigo o patrocínio máster de uma fabricante rival à do companheiro de equipe e a Yamaha, tentada pelos valores, aceitou.

O acordo foi possível por conta de cláusula no contrato de Lorenzo que permitia a equipe a forçá-lo a romper patrocínios pessoais em caso de contrato máster com marca rival. O prejuízo do espanhol, que tinha contrato válido até o final de 2014, ronda na casa dos R$ 2,7 milhões.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade