Natação/Mundial de Istambul - ( - Atualizado )

Excluído por doping em 2011, Nicholas mira Mundial de Barcelona-2013

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

Envolvido em um caso de doping, Nicholas Santos perdeu a edição de 2011 do Mundial, disputada em Xangai. O brasileiro, recém-campeão nos 50m borboleta da versão em piscina curta do evento, tem o Mundial de Barcelona-2013 como prioridade na próxima temporada.

“O ano de 2011, eu acabei pulando. Estava bem em piscina longa e era cotado para brigar nos 50m borboleta. Mas teve todo aquele problema do doping e precisei resolver isso. No ano que vem, meu foco é disputar mais uma vez o Mundial em piscina longa”, explicou.

Ao lado de César Cielo, Henrique Barbosa e Vinícius Waked, Nicholas testou positivo para o diurético furosemida em 2011. Em uma decisão polêmica, contestada até mesmo pela Federação Internacional de Natação (FINA), o Tribunal Arbitral do Esporte (CAS) decidiu apenas por uma advertência, mas o atleta perdeu o índice para o Mundial de Xangai.

“O momento mais difícil que já passei foi esse problema do doping sem ter culpa nenhuma. Isso foi provado no CAS e tenho a consciência tranquila de ter uma carreira limpa em todos esses anos. O órgão máximo julgou, entendeu e aceitou isso. Independentemente do que alguém fale, está tudo provado”, minimizou.

Cerca de um ano e meio depois de testar positivo, Nicholas Santos conquistou o maior resultado de sua carreira. Ao receber a medalha de ouro pelo triunfo nos 50m borboleta do Mundial de Piscina Curta de Istambul, o nadador recordou os momentos difíceis superados ao longo da carreira.

Satiro Sodre/CBDA
Nicholas Santos tem preferência pela piscina curta, mas quer brigar pelo ouro também no Mundial de Barcelona
“Passou um filme na minha cabeça durante o processo de entrega da medalha de tudo o que eu tinha feito para alcançar aquele resultado, de tudo que eu precisei abdicar. Fiquei bem contente com esse título inédito e voltei com o objetivo cumprido”, declarou Nicholas, que já contabilizava uma prata e dois bronzes em edições anteriores no torneio.

A meta do brasileiro na Turquia era nadar na casa dos 21s, mas ele conquistou o ouro, depois de bater o recorde do campeonato duas vezes, com a marca de 22s22. Em Barcelona, Nicholas aponta o compatriota César Cielo, atual campeão mundial dos 50m borboleta, e o sul-africano Chad Le Clos, ouro olímpico nos 200m borboleta, como maiores rivais.

“O César é muito rápido e ganhou os 50m borboleta em Xangai. Já o Le Clos, campeão olímpico, é um atleta jovem e tem real condição de disputar uma medalha de ouro em Barcelona, mas vou seguir meus objetivos e realmente quero brigar pelo título”, avisou Nicholas, que deixou o sul-africano com a prata na Turquia.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade