Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Elogio de Diego Souza convence Prass a assinar com o Palmeiras

William Correia São Paulo (SP)

Diego Souza, já acertado com o Cruzeiro, saiu do Palmeiras no primeiro semestre de 2010 por desentendimento com a torcida. Mas o meia guarda boas lembranças do clube. Tanto que seus elogios em conversas com Fernando Prass, quando ambos eram colegas no Vasco, influíram na opção do goleiro em defender o Verdão mesmo na Série B do Campeonato Brasileiro.

“Quando o Diego Souza estava no Vasco, falávamos de vários assuntos e ele falou muito bem do clube. Quando o Palmeiras me ligou, lembrei dessas indicações”, relatou Prass, que nem procurou outras atletas para definir a equipe que defenderá a partir de 2013. “Não conversei com ninguém do futebol, nenhum jogador. Mas tenho amigos que trabalharam no futebol e me deram só indicações positivas.”

Mais até do que as opiniões de Diego Souza e de seus amigos, o novo dono da camisa 25 do Palmeiras tinha uma boa impressão já do centro de treinamento da equipe. Por diversas vezes quando o Vasco treinou em São Paulo, Fernando Prass usou as dependências da Academia de Futebol e gostou do que viu. “Foi uma decisão minha. Jogo profissionalmente há 15 anos. Apesar de nunca ter jogado aqui, conheço muito bem o futebol e praticamente todos os clubes”, relatou.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Goleiro já tinha boas impressões das vezes em que treinou na Academia de Futebol com o Vasco
“Você entra e vê três campos em excelentes condições para treinar, o que é muito importante, além do ambiente de trabalho. O Palmeiras dá condições para você trabalhar tanto dentro quanto fora do campo para o jogador se preocupar só em jogar futebol e dar retorno”, prosseguiu.

Por isso, o atleta de 34 anos garante que a Série B não foi um empecilho, assim como a Libertadores não serviu como atrativo. “Quando você vai para um clube, não é por um ou outro campeonato. É pelo que o clube oferece e pelo que você pode oferecer ao clube dentro de seu perfil e qualidade. Essa é uma troca muito importante”, opinou.

“Claro que tem a Libertadores, que é muito importante, mas ela não foi determinante na minha decisão. Vim para o Palmeiras independentemente de qualquer competição, mas pelo fato de ser uma grande equipe, pelas condições de trabalho e o interesse da diretoria na minha contratação. A proposta apresentada, a situação e as perspectivas do clube e o desafio para a minha carreira pesaram muito para mim”, reforçou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade