Futebol/Amistoso - ( - Atualizado )

Oséas: "Fugi de escanteio para evitar gol contra no jogo do Marcão"

Edoardo Ghirotto* e William Correia São Paulo (SP)

Dos vestiários no Pacaembu, onde Marcos disponibilizou latas de cerveja para confraternização entre jogadores do Palmeiras de 1999 e da Seleção Brasileira de 2002 no amistoso de sua despedida, uma das figuras mais risonhas a sair era Oséas. Além da festa, outro motivo para alegria era de alívio: o ex-atacante não virou vilão do jogo com um gol contra.

“Cara, eu vou te falar. Fugi dos escanteios para não fazer gol contra na festa do Marcão. Não cheguei nem perto da área quando não era escanteio nosso”, gargalhou o ex-jogador, com quilos a mais, mas mantendo suas características trancinhas atrás da cabeça.

O medo tem motivo. Em 1998, ele fez gol contra em empate por 1 a 1 diante do Corinthians, no Morumbi, com Velloso na meta alviverde. Em 2000, pelas quartas de final da Copa João Havelange, novamente sob o comando de Luiz Felipe Scolari, Oséas, então no Cruzeiro, voltou a fazer um gol contra, mas também marcou a favor em empate por 1 a 1 com o Inter, no Beira-Rio.

Trapalhadas que, hoje, geram largos sorrisos no ex-atacante. Assim como boa parte de sua história no futebol. Ao deixar o Pacaembu nessa terça-feira, ele encontrou um palmeirense que logo apresentou seu filho. “Ele se chama Oséas por causa do seu gol na final da Copa do Brasil de 1998”, disse o fã, para delírio do homenageado.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Ex-atacante mantém as trancinhas, o sotaque baiano e as gargalhadas que o marcaram
“Coisa linda. Palmeirense é isso mesmo”, falou, ainda com seu carregado sotaque baiano. “Estou na torcida lá em Salvador. O Palmeiras tem que estar na primeira divisão”, completou, divertindo-se ao lembrar que Marcos teve dificuldades para jogar na linha ao seu lado nessa terça-feira. “É melhor o Marcos no gol, né?”

Já Oséas garante continuar bom com a bola em jogos amadores. “Minha peladinha e o futevôlei ainda rolam”, garantiu, sem destacar voltar ao futebol como técnico no futuro. “Nunca digo não, mas por enquanto meu pensamento é só administrar as coisinhas que eu tenho. Estou administrando o que a bolinha me deu.”

Além de dinheiro, a “bolinha” garantiu amigos com quem Oséas sorriu, brincou e bebeu nessa terça-feira. “Quero parabenizar a todos por essa grande festa. O Marcão merece, foi um excelente profissional. conseguimos muitos títulos pelo Palmeiras. Fico contente por ser convidado para essa grande festa”, agradeceu, cantando e gargalhando a caminho do ônibus disponibilizado pelo ex-goleiro para levar seus convidados a um hotel na capital – onde a celebração prometia continuar.

*especial para a GE.net

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade