Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Wesley quer que palmeirenses se baseiem nos alemães e apoiem em 2013

William Correia Santos (SP)

Wesley trocou o Werder Bremen pelo Palmeiras sob o pagamento de R$ 14,5 milhões em março, e o que encontrou no Brasil foi uma torcida bem diferente da que conviveu em um ano e meio na Alemanha. Diante de protestos que fizeram o time atuar longe da capital em jogos decisivos, o meio-campista espera mais apoio em 2013.

“Nós que jogamos fora sabemos que em outro país a postura é completamente diferente. O Brasil ainda está um pouco atrás quando se trata de torcida”, opinou o jogador, que não pôde contar com a ajuda da torcida já na sua chegada: só foram arrecadados cerca de R$ 700 mil dos R$ 21 milhões que eram precisos para comprá-lo em anúncio inicial da diretoria, em fevereiro.

O atleta rompeu ligamento do joelho direito em abril e, enquanto se recuperava, viu torcedores atirarem até cadeiras no Pacaembu em derrota para o Corinthians. A ação gerou punição que obrigou o time a mandar três jogos em Araraquara (perdeu do Coritiba, venceu o Cruzeiro e empatou com o Botafogo) e um em Presidente Prudente (perdeu do Fluminense).

Fernando Dantas/Gazeta Press
Volante quer que a torcida tenha o mesmo comportamento mostrado na despedida de Marcos, no Pacaembu
Nova confusão, com bombas e agressões a policiais em Araraquara, ainda fará o clube começar 2013 suspenso: suas quatro primeiras partidas como mandante em competições nacionais (Copa do Brasil ou Série B) longe da capital.

Para completar, alguns jogadores terminaram a temporada contratando seguranças particulares para evitar atos violentos. Algo que Wesley lamenta citando o ambiente no Pacaembu lotado na despedida do ex-goleiro Marcos, na semana passada, como modelo.

“A torcida brasileira está no caminho certo, tem que ser dessa forma. Temos que tirar isso como exemplo”, indicou, prometendo esforço não só para subir na Série B, mas lutar pelos títulos do Campeonato Paulista, da Copa do Brasil e da Libertadores.

“Temos que procurar jogar nosso futebol e ganhar sempre, independentemente da competição que for. Tomara que com isso a torcida se identifique cada vez mais e esteja junto conosco nessa caminhada”, comentou, esperançoso por uma temporada mais calma. “Vamos ver o que 2013 prepara para nós.”

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade