Futebol/Copa Sul-americana - ( )

Após título pelo São Paulo, Lucas sonha em ser o melhor do mundo

Gabriel Carneiro, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Os sonhos do são-paulino Lucas para os dois últimos jogos de 2012 e todas as próximas temporadas de sua carreira são apenas dois, mas nada modestos: retribuir a idolatria da torcida com seu primeiro título pelo clube e, vestindo a camisa do Paris Saint-Germain, da França, se tornar o melhor jogador do mundo com o título da Copa do Mundo em 2014.

Amplamente premiado e elogiado em solo brasileiro, o camisa 7 do Tricolor aceitou o desafio de tentar a sorte na Europa ao dizer sim à proposta do PSG, novo rico do futebol europeu, por R$ 108 milhões. A apenas duas partidas de iniciar o processo de mudança para Paris, o jogador sabe que passará por mudanças profundas em sua vida e carreira após a tentativa de alcançar a primeira meta: o título da Copa Sul-americana em pleno Morumbi.

“Não sei como explicar, porque vai ser uma mudança radical na minha vida. Mas vou crescer como atleta e como pessoa, uma cultura nova, pessoas novas, ambiente novo, vai ser bom para o amadurecimento. Foi difícil tomar essa decisão. Tudo que conquistei e passei para chegar ao São Paulo foi difícil, mas já faz falta. As metas lá fora são de conquistar os melhores campeonatos, ser o melhor do mundo um dia, ganhar a Copa do Mundo. Sou ambicioso. Sempre digo que o homem é do tamanho do seu sonho”, relatou o meia-atacante, com os olhos marejados.

Wagner Carmo/Vipcomm
"Je suis Lucas. Je vais tres bien. Je ne parle pas français", ensaia Lucas, futuro companheiro de Ibrahimovic
Às vésperas de se tornar oficialmente atleta do PSG, Lucas se emociona sempre que toca no assunto despedida, mas após o recebimento do prêmio Bola de Prata de melhor atacante do Campeonato Brasileiro de 2012, tratou o tema com bom humor.“Je suis Lucas. Je vais tres bien. Je ne parle pas français” (Eu sou Lucas, eu estou muito bem e não falo francês”, disse o atleta de 20 anos, aos risos.

“Já estou estudando francês, mas está complicado. A pronúncia é muito difícil. Chegando lá vou aprender no dia a dia”, relata Lucas, antes de voltar o pensamento ao São Paulo e ao primeiro objetivo a curto prazo: “Vai ser importante decidir o segundo jogo em casa, ao lado da nossa torcida. No Morumbi ainda vai ser muito melhor. Quero ser campeão, fechar o ano com chave de ouro e sair com o dever cumprido”.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade