Futebol/Copa Sul-americana - ( - Atualizado )

Lucas resolve na bola, e São Paulo é campeão após abandono do Tigre

Tossiro Neto e Gabriel Carneiro São Paulo (SP)

O São Paulo amansou o Tigre rapidamente na noite desta quarta-feira e abriu 2 a 0 no primeiro tempo, com um gol e assistência de Lucas, que fazia sua última partida com a camisa tricolor. Uma confusão generalizada no intervalo, no entanto, levou o time argentino a se recusar a retornar ao gramado do Morumbi, sob a alegação de que não tinha segurança para continuar, e o time brasileiro foi declarado campeão sem precisar disputar os últimos 45 minutos do confronto.

O tumulto ocorreu após o apito final da primeira etapa. Lucas mostrou a Orban o algodão ensanguentado que usava no nariz depois de levar uma cotovelada dele aos 37 minutos – não advertida pelo árbitro. Jogadores dos dois times, inclusive os reservas, então começaram a trocar empurrões. O juiz expulsou Díaz, do Tigre, e o são-paulino Paulo Miranda.

Tudo parecia contornado, mas houve um novo corre-corre nos vestiários. Alegando que policiais militares sacaram revólveres, o Tigre decidiu não voltar ao campo. Os são-paulinos, por sua vez, subiram normalmente, assim como o trio de arbitragem. Passados minutos de indecisão e discussão entre os delegados, a Conmebol decretou o São Paulo campeão invicto da competição.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Torcida que lotou o Morumbi não acompanhou 90 minutos de futebol, mas viu grande atuação de Lucas
A campanha termina com cinco vitórias e cinco empates e encerra jejum de quatro anos sem título do clube tricolor, que havia sido campeão pela última vez no Campeonato Brasileiro de 2008.

Antes das finais, o São Paulo era favorito absoluto diante de um adversário com elenco modesto e que chegava a uma decisão continental pela primeira vez na história. Mas se tratava, antes de tudo, de um duelo entre brasileiros e argentinos, uma das maiores rivalidades do futebol mundial e que equilibraria bastante as forças nos primeiros 90 minutos.

Em La Bombonera, a catimba resultou na expulsão de Luis Fabiano. Artilheiro são-paulino no ano, o centroavante recebeu cartão vermelho por tentar revidar agressão do zagueiro Donatti, que lhe acertou um soco no braço e também deixou sua equipe com um jogador a menos nos minutos iniciais. Com dez de cada lado, prevaleceu a marcação forte e, às vezes, desleal dos mandantes.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Na despedida, Lucas foi decisivo nos dois gols
Na volta, a polêmica começou na véspera, pois, por conta do ruim estado do gramado em virtude da realização de dois shows da cantora norte-americana Madonna, o São Paulo impediu o Tigre de reconhecer o Morumbi. No dia da partida, a tensão aumentou. Após ter o ônibus apedrejado na chegada ao estádio, a equipe argentina precisou enfrentar seguranças para aquecer em campo.

Quando o árbitro chileno Enrique Osses apitou pela primeira vez, o São Paulo mostrou que iria controlar o jogo. O único susto foi aos 14 minutos. Jogador mais agudo e valorizado do Tigre, Botta limpou a marcação do volante Wellington na esquerda da grande área e chutou rasteiro. Mas o goleiro Rogério Ceni se agachou e fez a defesa no canto direito baixo.

Aos poucos, o São Paulo foi amansando o adversário e amadurecendo o gol. Até que, aos 22 minutos, Willian José, substituto de Luis Fabiano, recebeu passe na área, fintou o zagueiro e atrasou para Jadson. O meia não alcançou, mas a sobra ficou com Lucas. O camisa 7 adiantou a bola e chutou cruzado, de pé esquerdo, para vazar o goleiro Albil, até então preocupado em fazer cera.

Cinco minutos mais tarde, o São Paulo se valeu de novo de seu veneno mais letal: a habilidade e a velocidade de Lucas. O meia-atacante fez boa jogada na intermediária e passou para Osvaldo nas costas da defesa. Em posição duvidosa, o atacante continuou a jogada normalmente e tocou a bola por cima de Albil para ampliar a vantagem e levar a torcida a gritar “o campeão voltou”.

Ao verem a tática de retranca cair, a violência demonstrada pelo Tigre em Buenos Aires voltou à tona. Aos 37 minutos, Lucas levou uma cotovelada de Orban e caiu no gramado, com o nariz sangrando. O juiz, que no começo tinha boa atuação, deixou o jogo correr, irritando Rogério Ceni. Por reclamação, o capitão são-paulino recebeu cartão amarelo. A torcida, enquanto isso, já fazia festa na arquibancada e gritava "olé".

No fim do primeiro tempo, Lucas mostrou a Orban o algodão ensanguentado que usava no nariz. Imediatamente foi criada uma confusão, com troca de empurrões entre jogadores dos dois times, inclusive os reservas. A polícia interveio, e os argentinos alegaram falta de segurança para continuar a partida. Eles então se trocaram e abandonaram a partida, decretando o São Paulo campeão.

Djalma Vassão/Gazeta Press
São Paulo saiu de jejum de quatro anos sem conquistar para chegar ao seu primeiro título da Sul-americana

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade