Atletismo/São Silvestrinha - ( - Atualizado )

Jovens retiram os kits e aguardam ansiosos para a São Silvestrinha

Bianca Mascara, especial para o GE.Net São Paulo (SP)

Junto às milhares de pessoas que foram retirar os kits para a 88ª Corrida Internacional de São Silvestre estavam jovens atletas que se preparavam para São Silvestrinha, versão infanto-juvenil da tradicional prova. Esta sexta-feira foi o único dia de entrega do material necessário para participação no evento, que começa a partir das 15 horas, no Estádio Ícaro de Castro Mello, no Conjunto Desportivo Constâncio Vaz Guimarães, em São Paulo.

A corrida reúne crianças e adolescentes de seis a 15 anos de idade. Os competidores se dividem nas provas, que vão de 50 metros até 600 metros, de acordo com a idade. A São Silvestrinha tem como objetivo incentivar a prática do esporte e revelar novos atletas, como foi o caso de Franck Caldeira, mineiro que começou na prova para jovens e passou a ser destaque nos 15 quilômetros.

Com os kits em mãos, a ansiedade tomava conta dos participantes. Mesmo em seu terceiro ano na competição, Amanda Gabriele segue nervosa antes da largada. “Eu treinei o ano inteiro, mas sempre dá um nervoso antes da prova”, afirmou a atleta de 14 anos, que correrá os 400 metros. Sua chará, Amanda Caroline, compartilha da mesma ansiedade. Aos 15 anos, ela encerra seu ciclo na São Silvestrinha pensando em objetivos maiores. “Eu já participai de algumas corridas com maiores distâncias e ano que vem quero correr a São Silvestre”, contou Caroline, que competirá os 600m de olho nos 15 quilômetros da prova de rua.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Amanda Gabriele tenta controlar o nervosismo antes de sua terceira participação na prova

A competição atrai participantes de diversas localidades. Itararé e Bom Sucesso de Itararé, municípios paulistas próximos da divisa com o Paraná, trouxeram cerca de 50 participantes. A equipe animada faz parte de um projeto para o desenvolvimento do esporte na região.

“É um projeto das escolas estaduais através da Secretaria de Educação, que custeia o transporte e a alimentação dos participantes”, explicou Guilherme Marques Gorsky, coordenador do time. “Queremos desenvolver o atletismo, que é uma modalidade fácil. Só é preciso um tênis para começar a correr, não requer muitos recursos, mas precisa de estímulo”, acrescentou. Os resultados já são expressivos, com o aumento de interessados. Ano passado, o grupo teve 29 atletas e o número de inscritos subiu para 52 em 2012.

Wellington Ranieri participou da prova em 2007 e voltou ao Estádio Ícaro de Castro Mello, mas dessa vez como professor. “A São Silvestrinha me motivou a cursar Educação Física e o esporte me abriu um bom caminho”, contou o estudante de 19 anos. A equipe reuniu atletas de todas as idades, que estarão presentes em diversas categorias da competição.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Distribuídos em cinco vans, jovens atletas de Itararé e Bom Sucesso de Itararé marcam presença na São Silvestrinha

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade