Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Andréia cobra incentivos após ficar um ano sem salários no Juventus

Edoardo Ghirotto, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

A vitória por 4 a 0 sobre Portugal, neste domingo, não serviu para amenizar o clima de revolta que se instaurou nos vestiários da Seleção Brasileira de futebol feminino. O time ainda está incomodado com as críticas feitas após a derrota nas quartas de final das Olimpíadas e ficaram marcadas pelo desabafo da goleira Andreia. Revoltada, a experiente jogadora voltou a cobrar incentivos da CBF para encerrar sua carreira de forma honrosa.

A arqueira, de 35 anos, reclamou após a partida com Portugal do modo como a modalidade é vista no Brasil. Sem receber salários do Juventus da Mooca durante 2012, Andréia reclamou das cobranças feitas após o fracasso em Londres e atribuiu a irregularidade dentro de campo ao jeito como a CBF administra o futebol feminino. Segundo a goleira, a entidade paga apenas R$ 150 diários para as atletas que são convocadas.

“Essa é a cultura brasileira. Não temos que fazer comparação com os homens, mas nós defendemos a Seleção por amor. Temos jogadoras que precisam deixar o País para ajudar as suas famílias. Agora nós vamos para as Olimpíadas e falam que a gente chega e não ganha. Nós já não temos salário, não conseguimos dar uma casa aos nossos familiares e nem comprar um carro, e as pessoas ainda tem coragem de nos criticar”, disparou.

Após um patrocínio individual de uma faculdade garantir o seu sustento e estudos durante este ano, Andréia espera que o novo ciclo que se iniciou neste domingo faça sua despedida do futebol ser marcada por um grande título. A renovação de suas esperanças veio justamente da estreia de Márcio Oliveira no comando técnico da Seleção. Com a troca na comissão, a atleta acredita que um planejamento eficaz poderá ser feito para que o time saia vitorioso nas Olimpíadas de 2016.

“Eu espero que o Márcio (Oliveira) faça diferente do que todos fizeram. Todos trabalharam e não chegaram. Eu quero que ele trabalhe e chegue. Eu preciso encerrar a minha carreira ganhando algo expressivo, porque eu estou cansada de ser vice-campeã. A Seleção precisa de um planejamento correto e de amistosos e competições importantes. Ninguém aqui vai ganhar uma Olimpíada se treinarmos juntas apenas dois meses”, encerrou a descontente camisa 1.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade