Futebol/Seleção Brasileira - ( )

Ausentes em amistoso, Felipão e Parreira recebem apoio de Ronaldo

Porto Alegre (RS)

Ronaldo não se importou com as ausências de Luiz Felipe Scolari e Carlos Alberto Parreira no Jogo Contra a Pobreza, promovido com o amigo Zidane na Arena do Grêmio, na noite de terça-feira. Após a partida, para a qual os dois profissionais estavam escalados como técnicos, o ex-atacante disse apostar em ambos no comando da Seleção Brasileira.

“O Parreira e o Felipão possuem grande experiência em Copas do Mundo. Eles ainda precisam acertar o time e têm uma responsabilidade grande, mas estamos na torcida”, comentou Ronaldo, confiante. “O Felipão fará um grande trabalho”, apostou.

Felipão e Parreira não foram a Porto Alegre para atuar como técnicos de Ronaldo e Zidane porque o mau tempo no Rio de Janeiro atrasou suas viagens. Eles acabaram substituídos pelo preparador físico Paulo Paixão e por Márcio Atalla, personal trainer do Fenômeno, no amistoso.

À época das contratações de Felipão como técnico e Parreira como coordenador da Seleção Brasileira, Ronaldo não demonstrava o mesmo incentivo. Na condição de membro do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo de 2014, o ex-jogador participava do sorteio da Copa das Confederações e utilizou a ocasião como subterfúgio para evitar perguntas sobre o tema.

AFP
Ronaldo não contou com Felipão e Parreira na Arena do Grêmio, onde disputou amistoso beneficente com Zidane
Com Felipão, Ronaldo teve destaque na conquista da Copa do Mundo de 2002. Sob o comando de Parreira, ele ficou no banco de reservas no título de 1994 e foi titular no fracasso de 2006. Já no Corinthians, trabalhou com Mano Menezes, demitido pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade