Futebol/Torneio Internacional Cidade de São Paulo - ( - Atualizado )

Seleção feminina estreia técnico com goleada por 4 a 0 ante Portugal

Edoardo Ghirotto, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

A estreia do técnico Márcio Oliveira não poderia ter sido melhor neste domingo. Substituto de Jorge Barcellos no comando técnico da Seleção feminina, o treinador assistiu a um passeio sobre Portugal e iniciou o Torneio Internacional Cidade de São Paulo com uma confortável vitória. Através dos gols de Cristiane, Fabiana Baiana, Marta e Giovania, a equipe nacional goleou por 4 a 0 e arrancou na frente rumo ao tricampeonato da competição.

Observadas pela comissão técnica da Dinamarca e por representantes da equipe mexicana, as meninas do Brasil não encontraram dificuldades diante das portuguesas. As lusas fazem a sua estreia no torneio e se atrapalharam defensivamente em diversas ocasiões. Os erros cometidos deram o espaço que Márcio Oliveira tanto queria para matar o jogo sem passar sufoco.

Agora, a Seleção se prepara para voltar a campo na próxima quinta-feira, contra o México, no mesmo Pacaembu. O campeonato também será a chance de Marta se recuperar do fracasso nas Olimpíadas e provar que pode conquistar o título de melhor jogadora do mundo. A atleta foi indicada ao prêmio pela oitava vez consecutiva e já acumula cinco troféus da categoria.

Divulgação
Marta teve o seu nome cantado durante toda a partida e retribuiu com um gol no 1º minuto da etapa complementar
O Jogo - As meninas de Márcio Oliveira começaram a partida empolgadas e precisaram de apenas dois minutos para assustar a sua adversária pela primeira vez. Acuado com o estilo de jogo ofensivo do Brasil, Portugal deu espaço para Débora dominar a bola na entrada da área e chutar com perigo à direita da goleira Patrícia Moraes.

A falha na conclusão do primeiro lance não se repetiu na investida seguinte das brasileiras. Aos oito minutos, a centroavante Cristiane tomou a bola dentro da área e com um chute de categoria tirou do alcance da goleira. A jogada do gol ainda contundiu a zagueira Silvia Rebelo e desorganizou a já confusa zaga europeia.

Divulgação
Cristiane foi o referencial da Seleção neste domingo e deixou a sua marca no primeiro tempo
Após bater cabeça novamente, o time visitante permitiu a chegada de Rosana e só não levou o segundo porque Patrícia fechou bem o ângulo nos pés da meio-campista. Já aos 16 minutos, Cristiane alçou a bola da ponta esquerda e Marta concluiu por cima da meta adversária. Mesmo com seu nome gritado a cada novo toque na bola, a camisa 10 não emplacou boas jogadas no primeiro tempo e foi apenas uma coadjuvante em campo.

Quem realmente tentou mostrar serviço foi Débora. A atacante brigou com as zagueiras portuguesas na etapa inicial e quase deixou sua marca aos 32. A cabeçada, entretanto, parou nas mãos de Patrícia. A goleira só não conseguiu evitar o tiro da lateral Fabiana Baiana, aos 35 minutos. A jogadora subiu bem ao ataque e concluiu no canto para ampliar o marcador.

A vantagem deixou a Seleção mais confortável em campo. As atletas se pouparam nos minutos seguintes e só Cristiane chegou com perigo. Aos 37, a atacante apareceu no meio da zaga e concluiu a última chance de gol por cima. O fim do primeiro tempo não refletiu em nada o comportamento do time canarinho no restante da partida, já que Marta precisou de apenas um minuto para se redimir de sua atuação apagada.

Ao notar o toque de bola da meia Érika para a área, a camisa 10 correu por trás das portuguesas e dominou na cara da goleira Patrícia. Com tranquilidade, Marta tirou a arqueira do lance e fez valer o ingresso dos que esperavam para gritar um gol seu. Os incentivos, porém, cessaram após Andréia ter que se esticar toda para evitar o gol das visitantes.

Recuperadas do susto, as meninas ouviram os conselhos passados por Márcio Oliveira no banco de reservas e massacraram a defesa portuguesa. A arqueira Patrícia precisou contar com a sorte para não sofrer mais gols no restante da duelo. E quando Érika finalmente conseguiu furar o bloqueio de suas oponentes, a bandeira flagrou impedimento e invalidou o tento.

Divulgação
Érika deu uma bela assistência para Marta e ainda teve um gol invalidado pela arbitragem no segundo tempo

A decisão da arbitragem de manter o placar inalterado levou Marta a arriscar novos dribles. Aos 23 minutos, a jogadora puxou rápida investida e tocou para Cristiane no centro da área. A centroavante recebeu o combate e Fabiana Baiana só não marcou porque a goleira se recuperou para fazer uma grande defesa.

Marta também levou o torcedor ao delírio com um chute no travessão. Aos 31 minutos, a jogadora aplicou um belo drible na meia-lua e fez com que a bola acertasse o poste em cheio. A goleira Andréia ainda precisou praticar outra boa defesa, aos 34, e garantiu a invencibilidade da defesa brasileira. Já a estreante Giovânia provou que a aposta de Márcio Oliveira estava certa e fechou a conta aos 35 da etapa complementar.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade