Tênis/Federer Tour - ( - Atualizado )

Serena aprova torcida e planeja retorno ao Brasil para Jogos do Rio

André Sender São Paulo (SP)

A norte-america Serena Williams jogou diante da torcida brasileira pela primeira vez, no Federer Tour neste sábado, e aprovou a experiência. Derrotada pela bielo-russa Victoria Azarenka por 2 sets a 0 no Ginásio do Ibirapuera, a ex-líder do ranking mundial já pensa em voltar ao País e torce para que se mantenha em forma até os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro-2016.

Com 31 anos de idade, Serena é a mais velha das dez primeiras colocadas do ranking mundial, dominado por tenistas nascidas no final da década de 1980. Nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, a norte-americana terá 34 anos.

"Quero jogar as Olimpíadas de 2016. Continuarei aqui enquanto estiver saudável. Este não é meu maior objetivo, mas com certeza é um deles", disse a norte-americana, campeã de simples e duplas, ao lado de sua irmã Venus, nos Jogos Olímpicos de Pequim-2008 e Londres-2012.

Serena entrou em quadra no Ibirapuera no início da noite deste sábado para a preliminar do jogo entre Roger Federer e Jo-Wilfried Tsonga, um dos mais esperados do Federer Tour. Com as arquibancadas quase tomadas, viu sua rival Victoria Azarenka agradar mais a torcida com danças, embaixadinhas com a bola de tênis e até um beijinho.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Serena Williams dançou com a mascote dos Correios durante o jogo com Victoria Azarenka
A norte-americana adotou postura mais conservadora e interagiu pouco com o público em São Paulo, mas garantiu ter gostado do que viu. O ato de maior descontração de Serena ocorreu no meio do primeiro set, quando ela atendeu a convite da mascote dos Correios, patrocinador do evento, e dançou em quadra diante de quase 10 mil pessoas.

"A torcida foi ótima hoje, sonho de vir ao Brasil desde que tenho 12 ou 13 anos. Queríamos uma boa partida, tentamos dar o melhor para o Brasil, já que sempre quis vir aqui. E agora quero voltar", afirmou Serena, que revelou fazer aulas de dança e praticar diariamente seus movimentos.

Em São Paulo apenas desde quinta-feira, a tenista norte-americana já conseguiu realizar o seu maior desejo no País: comprar biquínis brasileiros, difíceis de achar nos Estados Unidos, segundo a atleta.

"Foi difícil de achar um que coubesse em mim por motivos óbvios, mas consegui. Comprei tantos que nem sei mais quantos tenho. Alguns eu ia levar para a minha irmã, mas acabei pegando para mim".

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade