Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Para Rivaldo, jogar aos 40 deve ser exemplo para os mais jovens

Eduardo Mendoza, especial para a GE.Net São Caetano do Sul (SP)

Apresentado no São Caetano nesta terça-feira, Rivaldo não se envergonha de sua idade. Aos 40 anos, o meia se orgulha de seguir no futebol – para ele, seu caso é um bom exemplo para os jogadores mais jovens.

“Eu adoro futebol, jogo com prazer. Sou criticado por seguir jogando, mas quem deveria ser criticado é quem para de jogar cedo, e não quem chega aos 40 atuando. Acredito que sou um exemplo para os jogadores jovens, mostro que pode se jogar até depois dos 40”, declarou o veterano.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Rivaldo espera incentivar jovens a atuar por mais tempo
Atuar com essa idade, no entanto, nem sempre esteve nos planos do campeão da Copa do Mundo de 2002. O meio-campista admitiu que não se imaginava no futebol com essa idade - na sua visão, a ausência de lesões graves em sua carreira foi fundamental para que chegasse a esse ponto no futebol.

“Nunca se planeja chegar aos 40 anos jogando futebol. Antes, um jogador de 30 anos já era considerado velho. Agradeço a Deus por não ter tido nenhuma lesão séria durante minha carreira, nenhuma operação, o que ajudou muito. Além disso, sempre me cuidei, nunca bebi ou fumei”, analisou.

Chegando como modelo, Rivaldo defendeu um dos jogadores do São Caetano que mais podem evoluir com sua experiência: o atacante Jobson. Para o veterano, as críticas sobre o polêmico atleta de 24 anos, também contratado para o Campeonato Paulista, são injustas.

"A imprensa às vezes pega muito no Jobson. Vou tentar conversar e fazer uso da minha experiência, mas às vezes o jogador, principalmente jovem, fica até aborrecido quando se fala muito nele, como é o caso do Jobson. Espero que ele possa se espelhar no Rivaldo e ter uma carreira longa”, afirmou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade