Futebol/Bastidores - ( )

Querido em Jundiaí, Giba se diz pronto para nova passagem no Galo

Bruno Grossi, especial para a GE.net São Paulo (SP)

Ao lado de Vágner Mancini, Giba já está na história do Paulista como um dos técnicos mais vencedores nos quase 104 anos de existência do clube. De volta a Jundiaí para mais uma passagem pelo Galo da Japi, o treinador aposta no currículo vitorioso e na boa relação com a cidade de Jundiaí para recolocar o time em evidência no futebol nacional.

Revelado pela Inter de Limeira e com passagens marcantes por Guarani e Corinthians, onde foi campeão brasileiro em 1990, Giba iniciou sua carreira de treinador em 1995 pelo próprio Paulista. Em apenas dois anos no cargo e beneficiado pelos investimentos da parceria com a Lousano, o técnico logo conquistou seu primeiro título: a Copa São Paulo de Juniores.

Depois de passar por CSA-AL e São Carlense, Giba desembarcou na Vila Belmiro, onde levou o Santos ao vice do Paulistão de 2000 diante do São Paulo. Apesar da boa campanha, aceitou o convite para voltar ao Galo e, em 2001, fez a festa da torcida tricolor com duas taças e revelando os meias Marcinho (ex-Palmeiras e Ponte Preta) e Nenê (ex-Santos e Paris Saint-Germain). Primeiro faturou a Série A2 do Campeonato Paulista e, no final do ano, parou a Avenida Nove de Julho com o título da Série C do Campeonato Brasileiro.

E é justamente pelo histórico de conquistas na cidade, que o treinador aposta em mais uma boa passagem pelo Paulista. “Jundiaí é minha casa. Em 97, fui campeão da Copinha, iniciando minha carreia, depois tive vários acessos. É um lugar que conheço bem. Sei que cada oportunidade é diferente, mas sempre fui muito bem sucedido aqui. Fui muito bem recebido e o pessoal coloca bastante confiança. Sempre que vim aqui, alcancei os objetivos determinados”, afirmou o treinador contratado em dezembro do ano passado.

Marcelo Ferrelli/Gazeta Press
Com três títulos conquistados pelo Paulista, Giba volta a Jundiaí confiante em sucesso do Galo no Estadual
Sem nenhuma reforço de peso, o Galo tenta melhorar seu desempenho no Paulistão para voltar a disputar o Brasileiro da Série D, o que não acontece desde 2009. A aposta para a atual temporada está em jovens talentos, tradição mantida pelo clube que já revelou os goleiro Victor (Atlético-MG) e Arthur Moraes (Benfica) e o meio campista Márcio Mossoró (Sporting Braga).

“Temos dois objetivos: ficar na A1, que é hiper difícil para os clubes pequenos, e chegar na Série D. Não buscamos jogadores por nome. Demos bastante ênfase em jogadores emergentes, que estão aparecendo no futebol. Você vê na seleção do último Campeonato Brasileiro, tem o (zagueiro) Réver que foi formado aqui. O Paulista tem sido um clube trampolim, mas é organizado, bom de se trabalhar porque é sério e tem muita tradição”, analisou.

O goleiro Richard, revelado pelo São Paulo ao lado de Lucas e Casemiro, é o nome mais famoso da equipe montada para o Paulistão, enquanto a principal contratação foi o centroavante Marcelo Macedo, que fez boa Série B com o Boa-MG. Ciente das dificuldades que encontrará a partir da estreia contra o Corinthians em Jundiaí neste domingo, Giba avisa que o elenco ainda será reforçado, mas mantém o sigilo para não atrapalhar as negociações.

“Não tem elenco fechado. Agora iremos avaliar os atletas em competição, a reação, o desempenho. Quanto melhor o time estiver, menos a gente mexe. Mas se a resposta não for positiva, a gente tem que reforçar o elenco, mudar aqui, mudar ali. O problema de ser time pequeno é que, quando você fala, vem um outro time e corre na frente. Por isso a gente procura pesquisar jogadores que ainda não estouraram de vez”, explicou Giba, confiante e se sentindo em casa no estádio Dr. Jayme Cintra.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade