Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Tardelli revela desejo de voltar a Brasil e pode pedir liberação

Do correspondente Wanderson Lima Belo Horizonte (MG)

A situação do atacante Diego Tardelli, que parecia longe de retornar ao Atlético-MG, pode ter uma reviravolta com o jogador tentando a liberação junto ao Al-Gharafa, do Catar. O atleta ainda tem um ano e meio de contrato a cumprir, mas revelou que a boa situação econômica do futebol brasileiro, o desejo da torcida, principalmente do Galo, e a proximidade com a Copa do Mundo podem abreviar a volta ao Brasil.

“Conversei essa semana com a família e a gente se empolgou em voltar para o Brasil, ter a nossa vida aqui de novo. O futebol brasileiro mudou muito nesses dois últimos anos. Isso que tem empolgado, com a empolgação da torcida, querendo diariamente a minha volta. Por isso que a gente está pensando em voltar. Não era meu objetivo. Pensava em ficar lá mais dois ou três anos. Mas devido a Copa do Mundo, estádios, proposta, isso me deixou bastante feliz”, disse em entrevista ao canal Fox Sports.

Para conseguir a liberação junto ao Al-Gharafa, Tardelli se propôs a conversar com os dirigentes do clube. “Falta uma conversa do Kalil com o nosso xeque, um acordo entre mim e o Kalil. No momento é muito difícil. Primeiro, que o Al-Gharafa não quer liberar. Mas, com uma ajuda minha, talvez facilite isso. Dizendo que eu quero voltar, eles podem, sei lá, me liberar. Essa semana vou conversar com o xeque de novo e ver”, declarou.

Se conseguir a liberação, o Atlético-MG deverá enfrentar concorrência para ter Tardelli, o atacante afirmou que já teve propostas de outros clubes. “Já tive conversa com dois ou três clubes do Brasil. De Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro. Tive várias propostas”, comentou o jogador, que apesar da vontade de retornar ao Brasil, afirma que está feliz no Catar.

“Estou muito feliz, como vice-artilheiro do campeonato. Já ganhei título importante. E eles estão muito felizes comigo. Não tenho do que reclamar. Mas tem hora que dá aquela saudade do Brasil. Saudade de jogar com torcida, coisa que ainda não tem lá. Mas estou muito feliz e não tenho o que reclamar deles, pelo contrário. Sou grato por tudo que fizeram por mim”, disse.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade