Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Tirone ainda não confirma a dirigentes sua desistência da reeleição

William Correia São Paulo (SP)

Arnaldo Tirone é chamado por torcedores de “banana” por conta de suas indecisões. E a característica reaparece para as eleições do dia 21. O presidente já deu entrevistas dizendo que não tentará um novo mandato, mas o discurso com o gerente de futebol César Sampaio é diferente.

“O Tirone ainda não oficializou que não vai se candidatar. É o que ele me disse”, comentou Sampaio, que em quase todas as suas declarações cita a possibilidade de o atual mandatário ser reeleito. E ainda é possível, já que há tempo para os candidatos serem inscritos no Conselho Deliberativo.

Mas o próprio gerente, com cuidado, admite que dificilmente Tirone enfrentará Décio Perin e Paulo Nobre no pleito. “Em conversas extraoficiais comigo, ele me falou que não se sente seguro, e não sei se essa segurança vai existir neste período curto de tempo.”

De qualquer forma, a atuação de Tirone ainda influi bastante no trabalho de Sampaio. O presidente acatou em 18 de dezembro a sugestão vinda do Conselho Deliberativo e do Conselho de Orientação e Fiscalização (COF) para que os 19 membros do COF, incluindo Décio Perin, avalie e vete contratações até o dia 21. O dirigente é obrigado a entender.

“No nosso orçamento, se gastarmos errado, é um jogador a menos para um calendário exaustivo e competitivo. Está sendo prudente da nossa parte trabalhar desta forma pensando em 2013 e em quem pode assumir”, afirmou, avisando que não só o tradicionalmente atribulado clima político do clube atrapalha.

“O momento do Palmeiras é atípico não só pelas eleições. Há o rebaixamento e a saída de jogadores. O processo é complexo. Estamos passando o bastão com a responsabilidade de deixar o melhor possível para o próximo presidente. É algo atípico que requer um momento de atenção”, apontou Sampaio.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade