Futebol/Campeonato Paulista Série A2 - ( - Atualizado )

Paulista A2 opõe modernidade de empresas e tradição dos apaixonados

Yan Resende e Gabriel Carneiro, especial para GENet São Paulo (SP)

 Fóruns e comunidades de internet que pregam “ódio ao futebol moderno” se popularizaram nos últimos anos, a partir do momento em que empresas passaram a administrar clubes de futebol como mero negócio, objetivando o lucro. Do outro lado do ringue ficaram os amantes do esporte à antiga, defendendo a paixão do torcedor por seu clube, sem se importar com cifras. O embate entre modernidade e tradição será apenas um dos grandes atrativos da edição de 2013 do Campeonato Paulista da Série A2.

Para buscarem o título conquistado pelo São Bernardo no ano passado, com direito ao estádio Primeiro de Maio lotado na final contra a União Barbarense, vinte equipes se preparam há pelo menos um mês para a segunda divisão estadual. E duas delas que frequentam as Séries A e B do Brasileirão despontam como favoritas, ilustrando ainda mais o embate entre a tradição e a modernidade: Portuguesa e Guaratinguetá.

Divulgação
Favorita ao título, a Portuguesa contratou jogadores como Corrêa, Moisés Moura e Rafael Batista

Rebaixada no Paulistão pouco tempo depois de receber o apelido de ‘Barcelusa, a equipe do Canindé trocou Jorginho por Geninho, conseguiu se manter na elite nacional e agora terá Péricles Chamusca no comando. Sem Bruno Mineiro e Dida, a Lusa se reforçou com o meia Souza, campeão mundial pelo São Paulo, além do ex-palmeirense Corrêa, do zagueiro Moisés Moura e do meia Rafael Batista, que antes era conhecido pelo apelido de Chorão.

Ao lado do Guará, que conseguiu se salvar do rebaixamento na Série B do Brasileirão sob o comando de Carlos Octávio do Valle, e segue confiando em nomes como Saulo e Renato Peixe, a Portuguesa abre o Paulistão da Série A2 com rodada cheia nesta quarta-feira, a partir das 16 horas (de Brasília). O adversário da Lusa será o Monte Azul, fora de casa, ao passo que o Guaratinguetá visita o São Carlos.

Divulgação
Artilheiro pelo Brasil, Tuta espera conquistar o acesso à elite paulista pelo Monte Azul

Souza e Renato Peixe são apenas alguns nomes de destaque em uma competição que reunirá promessas do futebol nacional e craques do passado, a começar por Viola. Aos 44 anos, o ex-atacante de Corinthians, Santos, Palmeiras e Seleção Brasileira acertou com o Grêmio Osasco para a Série A2. Igualmente experiente, mas seis anos mais novo, Tuta, ex-Palmeiras e Fluminense, vestirá as cores do Monte Azul.

Paulo César no Audax, Márcio Careca no Santo André, Josiel no Rio Branco, Márcio no Grêmio-SP, Triguinho no Red Bull Brasil, André Neles no São Carlos, Joílson no São José, e Alex Afonso no Rio Claro são outros personagens de destaque neste Estadual, considerado por muitos o ‘segundo melhor’ do País – atrás apenas da Série A1 do Paulistão.

Por romantismo, tradicionais querem continuar fazendo história:

O futebol se transformou, novos times foram fundados, mas alguns apaixonados teimam em dizer que apenas os mais antigos são os responsáveis pelo “esporte de verdade”. Os mais saudosistas ainda alegam que as tradicionais equipes são responsáveis pelo romantismo que envolve o futebol. Algumas mais esquecidas, outras ainda com holofotes, mas todas com uma legião de fãs que não deixam de acompanha-las. Desta forma que Portuguesa; Comercial; Santo André, Rio Branco e Juventus aparecem nesta edição da Série A2 do Paulista.

Na elite do futebol brasileiro, a Portuguesa começa a competição com a obrigação de conquistar o acesso. Sabendo da responsabilidade, a rubro-verde apostou nas contratações do zagueiro Moisés Moura, do volante Corrêa, do meia Souza e do treinador Péricles Chamusca. O Santo André, por sua vez, finalista da série A1 em 2010, trouxe o volante Ramalho, campeão da Copa do Brasil com a equipe em 2004, o lateral Márcio Careca e o atacante Sérgio Motta, que começou a carreira no São Paulo.

Divulgação
Depois de conquistar o acesso com a União Barbarense, Claudemir vai comandar o Juventus

Com fama de sempre aprontar para os grandes paulistas, o tradicional Juventus da Mooca também participa da Série A2. O treinador da equipe, Claudemir Peixoto, sabe do peso dessa camisa grená. “É um time que tem uma camisa muito forte, então a gente fica contente por estar aqui. É uma grande honra”. Claudemir conquistou o acesso à elite pelo União Barbarense, no ano passado, e espera usar sua experiência no Moleque Travesso. Em relação aos clubes-empresa, o treinador não esconde que a realidade financeira é diferente. “Não temos a mesma estrutura de clubes como Audax e Red Bull. Por ser um time de camisa, tem essa diferença, mas financeiramente estamos bem atrás”.

O Comercial de Ribeirão Preto ficou 25 anos sem disputar a divisão de elite estadual, conseguiu o acesso em 2011, mas logo voltou à Série A2. Para conquistar o acesso e talvez reeditar o tradicional Come-Fogo, o alvinegro conta com Wilian Favoni, vice-campeão pelo Guarani em 2012, e Taubaté, atacante revelado pelo Corinthians. Outro time que conviveu com o duelo “tradição x modernidade” foi o Rio Branco de Americana, esquecido na cidade, após a chegada de um clube-empresa, que já se mudou para Guaratinguetá. De volta ao foco, o Tigre aposta no atacante Josiel, artilheiro do Campeonato Brasileiro, em 2007, pelo Paraná.

Com projetos sérios, empresas querem sair do quase:

Duas das três piores médias de público da Série A2 de 2012 chegaram até a fase final da competição, mas não conseguiram o sonhado acesso. Nesta temporada, a modernidade de Audax e Red Bull sonha em alcançar o objetivo e mostrar sua força diante de Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo na elite. Com base em projetos sérios e sólidos de revelação de jogadores e investimento na base, os clubes tratam a classificação entre os oito primeiros como meta empresarial.

Após bater na trave do ano passado, o Audax manteve o mesmo projeto para tentar o acesso nesta edição. “A gente deu continuidade ao trabalho que foi feito no ano passado, que na nossa concepção foi muito bom. Nós chegamos até a última rodada brigando pelo acesso, não subimos por alguns detalhes” explicou Thiago Scuro, em entrevista à GE.Net. O gerente do clube sabe da importância do acesso, já que o projeto visa dar oportunidades aos jovens atletas e a elite paulista aumentaria a vitrine. Além disso, há o lado comercial. “O acesso vai melhorar a imagem das empresas que ajudam o clube, aumentando o espaço na mídia”, completou.

Divulgação
Com 44 anos, Viola volta a ser uma das atrações do futebol paulista em 2013
Ao lado do Audax, outros clubes-empresa buscam o seu lugar ao sol, como o Red Bull Brasil, de Campinas, que apostou no técnico Hemerson Maria para dirigir estrelas como o meia Fernandes, maior ídolo da história do Figueirense, e o lateral esquerdo Triguinho, com passagens por Santos e Atlético-MG. Sob o comando do experiente Roberto Cavalo e sem as estrelas de 2012 que acabaram rebaixando a equipe para a Série C do Brasileirão, o Grêmio-SP aposta em jovens promessas, como o atacante Tiago Brito, e outras nem tão jovens, como o goleiro Márcio, ex-São Paulo e Botafogo de Ribeirão Preto.

Fundado em 2008, o Grêmio Osasco conquistou quatro acessos nos últimos anos e insiste em dizer que não é um clube-empresa, mas sim uma agremiação que recebe apoio de “incentivadores”, como uma grande rede de bancos com sede na cidade. Com o ex-jogador Vampeta como gerente de futebol, a aposta é em salários em dia e jogadores veteranos: o lateral Índio, campeão mundial pelo Corinthians, o atacante Viola, aos 44 anos, são só alguns exemplos do projeto da equipe.

Correndo por fora, as forças do interior:

Além dos cinco clubes destacados como 'românticos' e dos cinco clubes-empresa, mais dez equipes aparecem como postulantes ao acesso, reunindo a força do interior paulista. São Carlos, com André Neles e sob o comando de José Carlos Serrão; São José, com Joílson, Lucas Gaúcho e o ex-corintiano Márcio Bittencourt; Rio Claro, com Alex Afonso; Monte Azul com Tuta; Velo Clube, com o zagueiro Bernardi e Ferroviária, com Wellington Amorim. Noroeste, Catanduvense, Santacruzense e Capivariano completam a lista.

Confira os jogos da primeira rodada do Campeonato Paulista da Série A2:

Quarta-feira (23/01):

16 horas – Monte Azul x Portuguesa
16 horas – Santo André x Velo Clube
16 horas – Juventus x Noroeste
16 horas – Grêmio Osasco x Ferroviária
19 horas – Capivariano x Catanduvense
19 horas – São Carlos x Guaratinguetá
20 horas – Rio Claro x Comercial
20 horas – Rio Branco x Audax
20 horas – Santacruzense x Grêmio-SP
20h30 – São José x Red Bull Brasil

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade