Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Em desigualdade, times do interior comemoram reforços dos grandes

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

O alto investimento de Corinthians, São Paulo e Santos para o Campeonato Paulista não anima apenas os torcedores dos três clubes, mas também os dirigentes de adversários. Sem ter as mesmas condições de investimento dos grandes, os presidentes das outras equipes sabem que podem explorar também a badalação de jogadores como Alexandre Pato, Lúcio e Montillo.

O ex-jogador do Milan, inclusive, pode estrear pelo Timão a partir da terceira rodada, segundo os cálculos da comissão técnica alvinegra. O terceiro jogo está agendado justamente para o interior, no estádio José Maria de Campos Maia, do Mirassol.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Alexandre Pato é a contratação mais cara do futebol brasileiro e pode estrear em Mirassol
“Em todos os anos, o Paulistão tem jogadores de expressão. Neste, chegaram Lúcio e Pato de fora e são um atrativo para o campeonato, para aumentar o público. Ficamos contentes que a competição continue badalada. Quanto mais fortes os da capital, melhor também para os do interior”, afirmou o mandatário do Mirassol, Edson Antonio Ermenegildo, que receberá ainda um jogo contra o Palmeiras, na 15ª rodada.

Apesar de não ter feito contratações milionárias, o Verdão também gera expectativa fora da capital, até por conta de sua grande torcida das cidades menores do Estado. Por isso, o presidente do Ituano, Fernando Francisco Vieira, inclui o argentino Hernán Barcos entre os astros e comemora por receber o time de Gilson Kleina, além do Santos de Neymar.

Federação Paulista repete fórmula e ainda gera discórdia entre times

Paulistão reúne campeões de 2012 e confrontos de reforços badalados

Santos pode ser o primeiro tetra paulista da era profissional

“Quando os grandes se reforçam ainda mais, aumenta a disputa sadia, com o Montillo no Santos, o Pato no Corinthians e o Lúcio no São Paulo. O Palmeiras vai usar o Barcos em Itu pela primeira vez. É mais um atrativo, mas a dificuldade também cresce, começando a criar um abismo grande, até pelas cotas da Federação, mas não tenho do que reclamar”, ponderou.

A falta de condições para contratar jogadores mais caros também é lamentada pelo presidente Rogerio Camara, do Linense, que terminou em 11º lugar no ano passado e deposita suas esperanças no experiente meia Lenílson, ex-São Paulo, sem revelar os valores repassados pela Federação aos cofres da equipe.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Lúcio retornou ao Brasil depois de mais de dez anos
“É bom para o Paulista ter esses jogadores, é um recheio para o campeonato, mas, se não aumentar um pouco os repasses, vai complicar para os clubes do interior. E as empresas só patrocinam os grandes, deixando os do interior para trás”, lamentou o dirigente da equipe, que vai receber Santos e Corinthians no estádio Gilberto Siqueira Lopes.

Na tentativa de aproveitar para lucrar com os confrontos com os times da capital, não é raro aumentar os preços dos ingressos no interior. O Mirassol é um dos que planejam apostar na estratégia nos duelos contra Palmeiras e Corinthians.

“Todo ano, você majora preços dos jogos contra times grandes, mesmo porque o custo é por conta de quem recebe. São as únicas rodadas em que temos expectativa boa de público e acabam sendo uma compensação na bilheteria”, explicou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade