Futebol/Copa São Paulo de Futebol Júnior - ( - Atualizado )

Santos lota o Pacaembu, supera a força do Goiás e é bi da Copinha

Gabriel Carneiro, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Pela segunda vez na história, o Santos honrou suas tradicionais categorias de base e conquistou a Copa São Paulo de Futebol Júnior. No lotado estádio do Pacaembu, no dia do aniversário da cidade de São Paulo, o time da Baixada venceu o Goiás por 3 a 1 e repetiu 1984, que até então era o ano de seu único título da Copinha. Com direito a susto no início do segundo tempo, a torcida fez a diferença para deixar Liniker nervoso em cobrança de pênalti e determinar a conquista suada do time do técnico Claudinei Oliveira - "um orgulho que nem todos podem ter" e 25 mil viram no estádio mais charmoso da aniversariante capital paulista.

Depois de muita pressão, o Peixe abriu o placar aos 34 minutos do primeiro tempo, em cobrança de pênalti sofrido por Neílton e concluído por Pedro Castro. O ‘novo Neymar’, autor de três gols contra o Palmeiras, ainda marcou o segundo, aos 37. No início do segundo tempo, o baque. Arthur, acionado no intervalo, diminuiu, mas Liniker perdeu pênalti aos seis e viu o Santos retomar o controle da partida, aumentando com Giva.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Sob os olhares dos presidentes Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, do Santos, e José Maria Marin, da CBF, os Meninos da Vila ainda foram observados pela principal revelação das categorias de base do Santos nos últimos anos. Neymar esteve no Pacaembu para prestigiar o time que havia eliminado Palmeiras, Audax-SP, Grêmio Osasco, Náutico, Remo, São Mateus-ES e Corinthians Alagoano nas fases anteriores.

Responsável por eliminar o Bahia na semifinal, com direito a quatro defesas de pênalti do goleiro Paulo Henrique – duas no tempo normal e duas nas cobranças finais -, o Goiás fez sua melhor campanha da história da Copinha em 2013, superando 1991, quando chegou apenas às semifinais. O time do técnico Augusto César, ex-lateral do Corinthians, fez o artilheiro da competição: o atacante Erik, que já é esperado entre os profissionais.

O Jogo – Nervosos pela primeira vez em que viram um estádio lotado e contra si na Copinha, os meninos do Goiás desperdiçaram muitos passes simples nos primeiros minutos de bola rolando, permitindo que o Santos dominasse a posse de bola e as ações. Os Meninos da Vila, mesmo com torcida a favor, demoraram a acertar o pé e esbarravam na própria ansiedade para abrir o placar.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Pedro Castro e Neílton foram dois dos destaques do Santos na campanha vitoriosa na Copa São Paulo
Logo no primeiro minuto de jogo, Emerson Palmieri mostrou que seria um dos protagonistas do primeiro tempo – para o bem e, mais tarde, para o mal. Pela esquerda do ataque santista, o camisa 3 avançou e lançou para Leandrinho, que só perdeu a posse de bola por conta da forte marcação dos goianos que evitaram, também, uma infiltração de Alison no minuto seguinte.

O meio-campo móvel do time do Santos precisou aparecer para criar as chances no campo de ataque e iludir a marcação do Goiás. Com Léo Cittadini centralizado e Pedro Castro mais aberto pela direita, o time que lotou o Pacaembu tentou chegar na bola parada e principalmente com a bola no chão, aproveitando a habilidade de Neílton e o poder de conclusão de Giva.

Empreendendo ritmo forte, o Santos deixou seu gol maduro. Aos 12 minutos, Pedro Castro levantou a bola na área, a zaga do Goiás desviou na segunda trave, mas a bola ficou viva e Giva finalizou por cima da meta de Paulo Henrique. No contragolpe, Jarlan aproveitou uma falha de marcação de Emerson Palmieri para descer ao ataque e finalizar a primeira bola do Goiás, para boa defesa de Gabriel Gasparotto.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Neymar deixou de lado a manhã de folga para entregar medalhas aos companheiros de Santos
Depois de uma série de chances desperdiçadas, o Santos enfim abriu o placar aos 34 minutos, após pênalti sofrido por Neílton. Pedro Castro chamou a responsabilidade e executou a cobrança no meio do gol. Bom defensor de pênaltis, Paulo Henrique encostou na bola, mas não evitou a abertura de placar. Apenas três minutos se passaram até o herói da semifinal Neílton receber lançamento em profundidade e encobrir o goleiro do Goiás para anotar o segundo.

O segundo tempo reservou fortes emoções para o torcedor que ainda se ajeitava nas arquibancadas do Pacaembu depois do lanche do intervalo. Logo aos dois minutos, o meia Arthur, que havia entrado no lugar de Allef, recebeu em velocidade e estufou as redes de Gabriel Gasparotto. Menos de um minuto depois, Erik caiu na área e o árbitro marcou pênalti. Na cobrança, com pressão da torcida do Santos, Lineker errou o alvo e atirou pela linha de fundo.

O ímpeto do Goiás diminuiu e o Santos conseguiu aumentar sua vantagem aos 17 minutos, quando Pedro Castro conseguiu um desarme preciso na saída de bola do Goiás e acionou Giva, que bateu forte, na saída de Paulo Henrique, para tranquilizar o torcedor e principalmente o time. Nos minutos finais, o jogo foi disputado em ritmo ágil, mas as presenças de Neymar e Luis Alvaro no gramado para a entrega de medalhas não foi à toa: o Santos começou 2013 campeão.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Jogador do Santos exibe a taça para a torcida: 25 mil torcedores compareceram à final, no estádio do Pacaembu

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade