Futebol/Campeonato Catarinense - ( )

Reformulado, Criciúma evita projeções ambiciosas em 2013

Eduardo Mendoza, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

O Criciúma enfrentava crise nos anos anteriores e uma decepção no Campeonato Catarinense. A campanha na Série B do Campeonato Brasileiro de 2012 não prometia, mas quase levou ao título. Liderando na 33ª rodada, o Tigre ficou com o vice-campeonato quando almejava, no máximo, o acesso.

"O objetivo era o acesso e conseguimos. Fizemos uma boa temporada e lutamos pelo título. Acabamos sofrendo com lesões e nos distanciamos na reta final, mas o objetivo da temporada foi atingido", declarou o técnico Paulo Comelli, de contrato renovado até o final de 2013, em entrevista à GE.net.

Leia também:
Criciúma é único catarinense na Série A
Zé Carlos superou carreira agitada

Djalma Vassão/Gazeta Press
Paulo Comelli manteve humildade depois de reconduzir o Criciúma à Série A do Campeonato Brasileiro
Para 2013, diretoria, jogadores e comissão técnica mantêm a postura de mirar o essencial: os integrantes do clube não se veem favoritos no Campeonato Catarinense e projetam uma temporada caracterizada pela luta contra o rebaixamento para a Série B nacional.

“Não somos favoritos, o estadual está muito equilibrado. Teremos dificuldades no começo por não estarmos com o time montado”, analisou Comelli. A respeito da Série A, o dirigente de futebol do clube, Rodrigo Pastana, evita alvos ambiciosos: “O objetivo do Criciúma desde o início é permanecer na primeira divisão”.

Divulgação
Comelli comandará um elenco reformulado em 2013
A postura humilde, porém, não impede o clube de focar no título estadual e em uma forte campanha nacional. Para isso, na visão da diretoria, a própria renovação de Comelli, a primeira atitude tomada com o fim da temporada, foi um passo importante.

"É fundamental para guiar o processo de reformulação do grupo. Boa parte do elenco será diferente e é preciso capacidade para comandar essa mudança”, comentou Pastana.

O plantel mudou consideravelmente. “Muitos jogadores que foram contratados apenas para a Série B tiveram seus contratos vencidos. Não voltamos para a estaca zero, já que a comissão técnica foi mantida, mas reformulamos o time para enfrentar uma competição de nível técnico maior”, finalizou Pastana.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade